Festival de Berlim 2018: “Ang Panahon ng Halimaw”


Do diretor filipino Lav Diaz (conhecido por seus filmes de longuíssima duração, que chegam a onze horas: “A Mulher Que Se Foi”, “Canção Para Um Doloroso Mistério” – que participou da competição oficial da Berlinale, colocando a então presidente do júri Meryl Streep para assistir suas oito horas, “Norte, O Fim da História”, “Do Que Vem Antes”, “Evolução de Uma Família Filipina“). “Ang Panahon ng Halimaw (Season of The Devil)” é praticamente um curta com seus 234 minutos. Com Piolo Pascual, Shaina Magdayao, Pinky Amador, Bituin Escalante.


No final da década de 1970, uma milícia controlada por militares oprimia uma aldeia remota na selva filipina. Os homens uniformizados armados com metralhadoras foram responsáveis ​​por espalhar um terror de natureza física e psicológica. Eles criaram uma atmosfera em que os vizinhos se tornavam inimigos e procuravam erradicar a fé dos aldeões em lendas e espíritos. A jovem médica Lorena (a atriz Shaina Magdayao), sem medo, abre uma clínica para os pobres, mas desaparece sem deixar vestígios pouco depois. Seu marido, o poeta, ativista e professor Hugo Haniway (o ator Piolo Pascual), quer descobrir a verdade do paradeiro de sua esposa. Quando ele chega ao lugar é confrontado com uma comunidade desestruturada pelo despotismo e pela violência.


Lav Diaz descreve seu filme como uma “ópera rock filipino“. Escrito pelo próprio diretor, as letras das canções do filme retomam o humor sombrio durante a ditadura de Marcos e, lamentando as condições, descrevem o tremendo sofrimento, cuja monstruosidade não pode ser capturada nas imagens. A história e os personagens do filme são baseados em eventos e indivíduos reais. A mistura idiossincrática resultante do filme de música e do drama histórico reafirma a reputação de seu diretor como cronista dos traumas de seu país.


“Ang Panahon ng Halimaw (Season of The Devil)” integra a competição oficial do Festival de Berlim 2018.


Críticas Relacionadas

Crítica: A Mulher Que Se Foi

Mais uma parábola irretocável de Lav Diaz

Crítica: Canção Para Um Doloroso Mistério

As Oito Horas Irretocáveis de Lav Diaz

Crítica: Do Que Vem Antes

A temporalidade observada de Lav Diaz

Crítica: Evolução de Uma Família Filipina

As onze horas evolutivas de Lav Diaz

Crítica: Norte, O Fim da História

A Parábola moral de Lav Diaz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados