Festival de Berlim 2018: “Las Herederas”


Do diretor paraguaio Marcelo Martinessi, estreante em um longa-metragem, 95 minutos. Com Ana Brun, Margarita Irún, Ana Ivanova.

Chela e Chiquita são um casal há muito tempo. herdeiras de famílias abastadas no Paraguai, vivem confortavelmente há 30 anos. Ao longo dos anos, adaptaram-se papéis fixos e padronizados. Chiquita é extrovertida, a responsável por gerenciar suas vidas. Chela, por outro lado, reluta em deixar a casa, preferindo passar o dia no cavalete. As dificuldades financeiras as obrigam a vender alguns de seus móveis herdados. Quando Chiquita é enviada para a prisão por dívidas, Chela fica de repente deixada sozinha. Ela usa seu antigo carro para fornecer um serviço de táxi para senhoras mais velhas e ricas no bairro. Em seu novo papel de motorista, ela conhece uma das filhas dessas senhoras – a jovem Angy. O encontro atrai a Chela a redescobrir seus próprios desejos.

O filme recebeu financiamento do Torino Film Lab em 2015, prêmio aos melhores projetos cinematográficos independentes, e do World Cinema Fund. E também foi escolhido pelo projeto Résidence do Festival de Cannes, que providencia hospedagem a doze cineastas estrangeiros realizando seus primeiros filmes. É também a estreia cinematográfica de Ana Brun, atriz autodidata, que participou de várias peças no Teatro Arlequín, no Paraguai.


“Las Herenderas” integra a seleção competitiva oficial do Festival de Berlim 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados