Os Vencedores da Nona Semana Festival de Cinema 2017,
ex-Semana dos Realizadores


Responsável por abrir espaço ao cinema brasileiro contemporâneo, a Semana anunciou nesta quarta-feira, dia 22 no novembro, os vencedores de sua Mostra Competitiva. Era Uma Vez Brasília, de Adirley Queirós, e Travessia, de Safira Moreira, foram os grandes vencedores da edição de 2017.

Em 2017, quatro júris foram responsáveis por assistir, debater e definir os destaques da nossa nona edição: Júri Oficial — composto por Mariana Nunes, Paula Gaitán e Philipp Hartmann —; Júri De Estudantes de Audiovisual — integrado por Bia Praça, Milena Manfredini e Pedro Rena —; Júri da Crítica pelo Coletivo Elviras — representadas por Andrea Ormond, Ana Paula Alves Ribeiro e Taiani Mendes —; e o Júri Edt. — composto por Eva Randolph, Fernando Vidor e Karen Harley.

Produzida pela Jurubeba Produções e patrocinada pela RioFilme e a SEC-RJ, a 9ª Semana tem o prazer de anunciar os filmes vencedores da Mostra Competitiva, em que curtas, médias e longas-metragem competem em pé de igualdade e disputam as mesmas premiações. Ao todo, foram 7 dias, 56 filmes, 22 sessões e 3 debates, onde assistimos e conversamos sobre o que há de mais potente e inovador no cinema contemporâneo – sobretudo, o produzido no Brasil.


PRÊMIO VERTENTES DO CINEMA
Nosso site escolheu “Vai e Vem”, curta-metragem da diretora Louise Botkay, como o melhor filme da mostra.


VENCEDORES DA 9ª SEMANA
JÚRI OFICIAL
Este júri indicou cinco destaques entre os longas, curtas e médias-metragens em competição. Dois prêmios fixos – os de Melhor Filme e o Grande Prêmio do Júri, que são obrigatoriamente destinados a obras de formatos diferentes (um longa e um curta ou média-metragem). Os outros três prêmios foram indicados de acordo com sua avaliação, destacando aspectos técnicos ou estéticos que se sobressaiam no conjunto das obras apresentadas.

MELHOR FILME
Era Uma Vez Brasília“, direção de Adirley Queirós
“Pela sua linguagem radical da escrita cinematográfica; filme essencial neste momento – no cinema, no Brasil e no mundo.”

GRANDE PRÊMIO DO JÚRI
Travessia“, direção de Safira Moreira
“Pela potência cinematográfica de um gesto de resistência.”

PRÊMIO PELA INOVAÇÃO DA NARRATIVA FOTOGRÁFICA
Ava Yvy Vera – Terra do Povo do Raio“, direção de Genito Gomes, Valmir Gonçalves Cabreira, Johnaton Gomes, Joilson Brites, Johnn Nara Gomes, Sarah Brites, Dulcídio Gomes e Edna Ximenes

PRÊMIO PELA FORÇA LIBERTÁRIA DA PALAVRA E DA POESIA
Poesia na Guerra“, direção de Fernando Salinas

PRÊMIO PELA EXPERIÊNCIA E EMBATE ENTRE SOM E IMAGEM
Resiliência“, direção de Marcellvs L.

MENÇÃO HONROSA PELO IMAGINÁRIO DO CAOS E SUA REIVENTAÇÃO APOCALÍPTICA
Pazucus – A Ilha do Desarrego“, direção de Gurcius Gewdner


JÚRI DE ESTUDANTES DE AUDIOVISUAL
Pelo segundo ano, o festival contou com Júri de Estudantes de Audiovisual. Abrimos convocatória para que alunos de escolas diversas – universitárias ou não – se candidatassem a fazer parte de um grupo que assistiu, debateu e definiu os destaques da 9ª Semana de acordo com seu olhar.

MELHOR LONGA-METRAGEM
Café com Canela“, direção de Ary Rosa e Glenda Nicácio
“Pela potência de criação de novas narrativas e de novas formas de representação da mulher e do homem negro no Cinema Brasileiro. Pela sensibilidade aguçada em promover o processo de cura dos personagens negros e daqueles que os assistem.”

MELHOR CURTA-METRAGEM
Travessia“, direção de Safira Moreira
“Pela reflexão que o filme propõe acerca da ausência de imagens de famílias negras na história do Brasil e pela ação-manifesto que o filme realiza ao começar a produzir essa iconografia em sua própria escritura.”

PRÊMIO ESPECIAL CINEMA COMPARTILHADO
Ava Yvy Vera – Terra do Povo do Raio“, direção de Genito Gomes, Valmir Gonçalves Cabreira, Johnaton Gomes, Joilson Brites, Johnn Nara Gomes, Sarah Brites, Dulcídio Gomes e Edna Ximenes
“Pelo processo cinematográfico, político e social que envolve o filme para além de sua exibição em uma sala de cinema. Pelo compartilhamento de mundos, ideias, técnicas, olhares, afetos e existências que o encontro entre a universidade, o cinema e o universo indígena pode proporcionar.”

PRÊMIO JUNINHO DE CINEMA CULTURAL
Aristides de Souza, de “Arábia
“Pela importância da inclusão de novos sujeitos históricos e sociais nos processos de criação e pensamento do Cinema Cultural.”


JÚRI DA CRÍTICA pelo COLETIVO ELVIRAS
O Coletivo Elviras, fundado em 2016, reúne mulheres que escrevem críticas cinematográficas e/ou produzem reflexão teórica sobre o audiovisual. Este é o primeiro júri do coletivo em festivais, momento que representa um marco para todas e todos que atuam na área.

MELHOR FILME
Histórias que Nosso Cinema (Não) Contava“, direção de Fernanda Pessoa
“Por analisar e desconstruir preconceitos do passado, contribuindo para a compreensão da mulher em uma sociedade complexa e cheia de camadas.”

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI
Travessia“, direção de Safira Moreira
“Pela beleza do argumento e pelo poder de síntese ao abordar o processo de apagamento histórico da população afro-brasileira, construindo memórias repletas de afeto e significado.”

MENÇÃO HONROSA
O Peixe“, direção de Jonathas de Andrade
“Pela concepção fílmica, experimentando os limites da vida e da morte na invenção de um ritual carregado de erotismo e sensibilidade.”

PRÊMIO REVELAÇÃO
Ary Rosa e Glenda Nicácio, por “Café com Canela
“Pelo trabalho com as dimensões cotidianas e a apresentação de personagens plurais, dialogando em diferentes planos de tempo.”


JÚRI EDT.
Pelo quarto ano consecutivo, a edt. – Associação de Profissionais de Edição Audiovisual do Rio de Janeiro- premiou a montagem de filmes da Semana dos Realizadores. O prêmio foi criado em 2014 em homenagem à Ricardo Miranda que, além de grande montador e professor, foi mestre de inúmeros profissionais que atualmente dão continuidade às suas ideias sobre montagem cinematográfica.

PRÊMIO RICARDO MIRANDA DE MONTAGEM DE INVENÇÃO
Germano Oliveira, por “Música Para Quando as Luzes se Apagam
Juliana Antunes e Affonso Uchôa, por “Baronesa


PRÊMIO INDIELISBOA
Quinto ano como parceiro da Semana, o IndieLisboa irá exibir, em sua programação, um dos filmes em competição, escolhido por sua equipe de curadoria.
Histórias que Nosso Cinema (Não) Contava”, direção de Fernanda Pessoa


PRÊMIO AQUISIÇÃO CineBrasilTV
Pela primeira vez, o CINEBRASILTV oferecerá um prêmio-aquisição no valor de R$ 4.000,00 para curtas ou R$ 15.000,00 para longas.
Ava Yvy Vera – Terra do Povo do Raio“, direção de Genito Gomes, Valmir Gonçalves Cabreira, Johnaton Gomes, Joilson Brites, Johnn Nara Gomes, Sarah Brites, Dulcídio Gomes e Edna Ximenes.

Críticas Relacionadas

Crítica Curta: Vai e Vem

O documento real de um povo

Crítica: Era Uma Vez Brasília

A cidade como experiência estética

Crítica: Ava Yvy Vera – Terra do Povo do Raio

Um filme em que os raios nunca acabam

Crítica: Pazucus: A Ilha do Descarrego

O monstruoso, escatológico e vomitado submundo fecal

Crítica: Café com Canela

Do requentado à volta por cima

Crítica: Arábia

A silenciosa estrada-odisseia do recomeçar

Crítica: Histórias que Nosso Cinema (não) Contava

E a pornochanchada reconstruiu a História do Brasil...

Crítica: Baronesa

Explosão de comunicação popular empoderada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados