O Festival Internacional de Cinema de Arquivo 2017 completa 16 anos

Confira a programação completa da mostra que acontece de 17 à 23 de outubro na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.


A Programação

“CINEMA DIÁLOGOS VISUAIS”

17/10/2017 — TERÇA-FEIRA – Cinemateca do MAM – ENTRADA FRANCA.

19:30 h Sessão Abertura

Homenagem à Arthur Omar

“MiniDoc/Diretores – Arthur Omar”
Direção: Cristina Mendonça
Em um raro registro documental sobre sua vida e carreira, o artista visual, fotógrafo, cineasta e experimentador Arthur Omar comenta suas idéias, realizações e concepções sobre a arte, a invenção, as linguagens, os materiais de trabalho e o êxtase do criador.
2014 – Brasil – 13’
Curta – Livre

“O Nervo de Prata”
Direção : Arthur Omar
1987 – Brasil – 20’
Média – Livre
O universo incomum e paradoxal do artista Tunga é visto através de suas próprias esculturas, misturando emoções arcaicas e um leve sentimento de alta tecnologia. O espectador é jogado em um túnel sem começo ou fim, onde ocorrem cenas extremamente incomuns envolvendo gemeos siameses amarrados pelo cabelo e cobras trançadas.

18/10/2017 – QUARTA-FEIRA

15:00 h – Mostra Competitiva

“Armanda”
Direção: Liliane Leroux e Rodrigo Dutra
2017 -42’
Brasil – Média- Livre
Armanda Álvaro Alberto foi uma professora e intelectual brasileira precursora do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. Como militante feminista fundou a União Feminina do Brasil (UFB) e foi presa pelo governo de Getúlio Vargas. Influenciada pelas ideias de Montessori criou em Duque de Caxias (RJ) a Escola Regional de Meriti, sendo o primeiro colégio brasileiro a servir alimentação para os estudantes: o famoso mate com angu.

16:00 h – Mostra Informativa

“Cavalos de Goethe ”
Direção: Arthur Omar
2011 – Brasil -70 ‘.
Longa – Livre
Documentário experimental contendo cavalos, homens e uma imagem de guerra encarnada em quadros que se movem aos milímetros. Combates entre cavaleiros suspensos no tempo, filmados no Afeganistão em 2002. Através de um prisma, a teoria das cores de Goethe informa sobre a relação entre luz e escuridão, entre história e o esquecimento, entre a morte e a resistência do instante. O Olho do espectador é chamado ao tribunal da percepção histórica.
.
18:00 h – Mostra Competitiva

“ELÔ!
Direção: Lúcio Branco
2017 – Brasil – 19:13’
Curta 14 Anos
Brasil agosto de 1961 e abril de 1964. Quase três anos separam duas situações de crise política aguda. Nelas, dois personagens se destacam. Leonel Brizola e Carlos Lacerda exortam as massas a resistir às tentativas de golpe e contragolpe, respectivamente, em pronunciamentos radiofônicos improvisados. O que há em comum em ambos os eventos é a atmosfera de alarme. Apoiado em material iconográfico, ELÃ! aborda o choque ideológico daqueles dias através da performance retórica passional de dois ícones da vida pública brasileira.

“Rosemberg- cinema, colagem e afetos”
Direção: Cavi Borges e Christian Caselli
2017 –Brasil – 70’
Longa – 12 anos
A vida e a obra do cineasta Luiz Rosemberg Filho
20:00 h – Mostra Competitiva

“Silêncio no Estúdio”
Direção: Emilia Silveira
2016 – Brasil – 81’
Longa – Livre
Edna Savaget viveu mais de 30 anos nos estúdios da televisão carioca fazendo história e amigos. Precursora dos primeiros programas femininos da TV brasileira, era dela a maior audiência vespertina. Escritora e poeta, recebia em seus programas grandes personalidades da cultura do país. Hoje, sua memória ainda vive e é contada por aqueles que puderam dividir um espaço por trás e diante das câmeras. Uma saborosa volta aos tempos em que a televisão começou no Brasil.

19/10/2017 – QUINTA-FEIRA

15:00 h – Mostra Competitiva

“Universo Preto Paralelo”
Direção: Rubens Passaro
2017 –Brasil – 12’
Curta – 16 Anos
Um paralelo traçado entre as violações de direitos humanos do passado escravocrata brasileiro e da ditadura militar por obras do século XIX e depoimentos dados a Comissão Nacional da Verdade. Quem são os heróis nacionais brasileiros?

“Casa da Xiclet”
Direção: Sofia Amaral
2016 – Brasil – 47’
Média – 16 Anos
Documentário sobre a Casa da Xiclet, galeria de arte independente em São Paulo com 15 anos de existência. Xiclet é uma artista plástica capixaba que se estabeleceu em São Paulo no início dos anos 2000 e desde então transformou a casa onde mora em um espaço público, voltado para a divulgação de artistas que ficam de fora do grande circuito das artes. Além de artista e galerista, Xiclet é uma provocadora incansável do \”status quo\”.

16:00 h – “Sessão Especial Acervo MAM / TVs”

18:00 h – Mostra Competitiva

“Antonieta”
Direção: Flávia Person
2016 – Brasil – 15’
Curta – Livre
“Antonieta”, um documentário sobre Antonieta de Barros (1901-1952), mulher, negra, professora, cronista, feminista e em 1935 se tornou a primeira negra a assumir um mandato popular no país.

“Clara Estrela”
Direção: Susanna Lira e Rodrigo Alzuguir
2017 – Brasil – 71’
Longa – Livre
Clara Estrela é um documentário sobre Clara Nunes, feito exclusivamente com imagens de arquivo, que sintetiza com elegância o caldeirão cultural brasileiro. O filme narra, apenas em primeira pessoa, a trajetória da cantora que conquistou o Brasil e vários países do mundo. Além do minucioso trabalho de pesquisa audiovisual, o filme traz ao público a oportunidade de ouvir os depoimentos de mídia impressa na narração da atriz Dira Paes e a possibilidade de conhecer um pouco mais da personagem que, mesmo passados mais de 30 anos de sua morte, permanece em lugar de destaque na história da música popular brasileira.

20:00 – Mostra Competitiva

“Henfil”
Direção: Angela Zoé
2017 – Brasil – 74’
Longa – 14 Anos
O documentário vai revelar narrativas paralelas que apresentam a vida do cartunista e ativista, Henrique de Souza. O filme explora um movimento de descoberta do personagem junto aos jovens a partir de uma turma de animadores que tenta trazer o trabalho de Henfil para os dias atuais. Juntam-se às descobertas feitas, a partir dos depoimentos de amigos, revelações sobre a maneira como o artista usou seus desenhos como um aparato para “driblar” a censura política e também como um recurso para lidar com sua saúde frágil, causa da pela hemofilia, e expor sua inquietação criativa.

20/10/2017 – SEXTA-FEIRA

15:00 h – Mostra Competitiva

\”Gene Ocular\”
Direção: Luiz Izidoro
2017 – Brasil – 8:49’
Curta – 14 anos
Gene: Na definição da genética clássica, é a unidade fundamental da hereditariedade.
Ocular: Que pertence ao olho: globo ocular. Testemunha ocular, a que viu a coisa sobre a qual dá seu testemunho. Percebemos o mundo como ele é, devido às nossas experiências. Talvez para alguns, é difícil conviver com os fatos que se repetem pela luta ao poder e continuar observando e testemunhando tamanhas atrocidades. Uma barbárie cíclica ao nosso convívio humano.

“Filme Reverso”
Direção: Juliana Ludof
2017 – Brasil – 9’
Curta – Livre
Um mundo que não tem conexões com uma realidade imediata, que talvez atinjamos muito rapidamente, um tempo de total esquecimento. Um momento de total irrelevância para a memória individual e coletiva, e de um total desprezo pela permanência destas memórias, quer sobre a forma de um registro físico de um filme, quer sobre a forma de um registro etéreo, alguma coisa que a ciência ainda venha a criar.

“Mulheres Luminosas”
Direção : Pedro Pontes
2012 – Brasil- 33’
Media – Livre
Documentário. A música de Chiquinha Gonzaga, a escultura de Nicolina Vaz Assis, a poesia de Gilka Machado e a pintura de Georgina Albuquerque são o tema do documentário Mulheres Luminosas. A partir da história dessas criadoras, que revolucionaram a arte no Brasil, o filme faz uma reflexão sobre a posição da mulher na virada do século XIX para o XX. Ao mostra-las como exemplos da luta contra a opressão social, através de seus esforços na busca por espaço dentro das artes, o documentário mostra como essas quatro artistas foram capazes de calçar o caminho das próximas gerações de mulheres artistas brasileiras.

16:00 h -Mostra Informativa

“Mapplethorpe – Look at the pictures”
Direção: Robert Mapplethorpe
2016 – Eua / Alemanha – 109’
Longa – 18 Anos
Uma analise sobre a vida e a obra do fotografo Mapplethorpe narrada por ele mesmo. Completam o retrato depoimentos de familiares, amigos, colaboradores e amantes do infame fotógrafo que revolucionou o mundo da fotografia com seu modo de retratar a nudez, a sexualidade e o fetichismo.

18:00 h Mostra Competitiva

“Serguei O Ultimo Psicodélico”
Direção: Ching Lee e Zahy Tata
2017 – Brasil – 115’
Longa – 16 anos
Sergio Bustamante cantor de 83 anos de idade, com mais de 50 anos de carreira. precursor da psicodelia no Brasil e ícone do rock lutou pelas liberdades em praça pública, se assumiu Serguei e partiu em busca do seu lugar ao sol. seus shows nada convencionais para um rapaz de classe média carioca, nos cabarés e boates do centro antigo do rio de janeiro fizeram história , através do escracho, ousadia , ineditismo e originalidade. Apresentou o rock n roll para o público brasileiro, com todo o sex apell requebrou tanto quanto Elvis Presley.

20:00 h – Mostra Competitiva

“Desarquivando Alice Gonzaga”
Direção: Betse de Paula
2017 – Brasil – 85’
Longa – Livre
“Desarquivando Alice Gonzaga” é um documentário que revisita uma parte importante da história do cinema brasileiro através da vida e da obra de Alice Gonzaga, filha de Adhemar Gonzaga, cineasta sonhador que, em 1930, fundou a Cinédia, primeiro estúdio de cinema no Brasil.

21/10/2017 – SÁBADO

13:00 h – REcine: Especial
“Pendular”
Direção: Júlia Murat
2017 = Brasil -108’
Com Raquel Karro e Rodrigo Bolzan.
Longa – 16 anos
Exibição em DCP.
Sessão seguida de debate na área da exposição Pendular sobre a relação entre cinema e artes plásticas.

15:00 h – Mostra Competitiva

“Divina Luz”
Direção: Ricardo Salles de Sá
2017 –Brasil – 14.57’
Curta – 12 Anos
A trajetória e o pensamento de Luz del Fuego, a bailarina naturalista que balançou o Rio de Janeiro nos anos 50, e que completaria 100 anos em 2017.

“Túlio Piva – Pandeiro de Prata”
Direção: Marco Martins
2016 – Brasil – 55’
Media – Livre
O filme retrata a vida e a obra do compositor e sambista gaúcho Túlio Piva. Natural de Santiago do Boqueirão, Túlio consolidou sua carreira musical em Porto Alegre. Dono de uma batida muito própria no violão, viveu mais de 50 anos de samba, foi proprietário do bar \”Gente da Noite\”, onde compôs grande parte de sua obra e gravou quatro LPs.

16:00 h – Mostra Informativa

Sessão Especial Luiz Carlos Lacerda
“O Enfeitiçado”
1968 – Brasil – 12’
Curta – Livre
Documentário sobre o Escritor Lucio Cardoso que impedido de continuar a escrever descobre na pintura uma nova forma de expressão.

“ZE.COM”
2016 – Brasil – 15’
Curta – Livre
Filme sobre a vida do Pintor, artista intermídia, gravador, escultor, cenógrafo e figurinista. Zé Tarcísio

“A Morte de Narciso”
2003 – Brasil – 43’
Média – 14 anos
Documentário sobre o trabalho de Alair Gomes, precursor do nu masculino na fotografia brasileira.

“Luiz Áquila”.
2017 – Brasil – 25’
Média – Livre
Filme-documentário sobre a obra de Luiz Aquila

“Paiva Brasil”
2017 – Brasil – 25’
Média – Livre
Filme sobre a Obra do Pintor Construtivista Paiva Brasil

18:00 h -Mostra Competitiva
“Cine Rio Branco”
Direção: Eudaldo Monção Jr.
2017 – Brasil -17’
Média – Livre
Em seu aniversário de noventa anos, o majestoso Cinema Rio Branco vira filme e estreia nele mesmo. Breve Sinopse: Em seu aniversário de noventa anos, o majestoso Cinema Rio Branco vira filme e estreia nele mesmo

“Guarnieri”
Direção: Francisco Guarnieri
2017 – Brasil – 71’
Longa –Livre
Gianfrancesco Guarnieri foi ator de grande sucesso na televisão, autor fundamental na história do teatro brasileiro e imagem-síntese do artista engajado. Seus filhos Flávio e Paulo, também atores, assumiram um total distanciamento entre arte, trabalho e política. A partir desses dois retratos geracionais, o neto e diretor Francisco procura refletir sobre o papel do indivíduo na sociedade, na arte e na família.

20:00 h – Mostra Competitiva

“O Cinema foi à Feira”
Direção: Paulo Hermida
2016 – Brasil – 75’
Longa – 12 Anos
Um documentário sobre os bastidores do filme “A Grande feira”, realizado na década de 60 numa Bahia que ainda aprendia a fazer cinema. Trazendo uma reflexão sobre um momento marcante da produção cinematográfica baiana e em particular, como um acontecimento real “imita” a tragédia anunciada neste que foi o filme seminal do cinema novo.

22/10/2017 – DOMINGO

15:00 h Mostra Competitiva

“Para não esquecer”
Direção: Rafael de Almeida
2016 – Brasil – 9’
Curta – Livre
Todas as fotos, nunca ampliadas, foram perdidas por um dano no cartão de memória. Que belo nome para um cartão. Consigo me lembrar dessas imagens mais do que a maioria das que fiz durante esse tempo.

“Laura”
Direção: Tania Dinis
2017 – Portugal – 10’
Curta – Livre
Laura um filme ensaio, um trabalho de pesquisa e recolha de arquivos fotográficos familiares.
A exploração da ideia da imagem, numa experiência do tempo que passou, e do tempo que não passa, numa memoria que se expande no espaço, criando assim, pequenos momentos narrativos.

“Passeio Público”
Direção: Andréa França e Nicholas Andueza
2016 – Brasil -15 minutos
Curta – Livre
PASSEIO PÚBLICO conta uma história poética a respeito das imagens da cidade do Rio de Janeiro do início do século XX. A revisitação desses pedaços de filmes se dá por meio de repetições, re-enquadramentos, desacelerações e interrupções. São interferências feitas na montagem que fazem ver o que está no fundo da cena – aquilo que não tinha importância na época em que as imagens foram feitas, mas que salta aos olhos do espectador a partir de sua retomada.

“A Balada do Sr. Watson”
Direção: Firmino Holanda
2017 – Brasil – 22 minutos
Média – Livre
Nos tempos da iluminação a gás, em Fortaleza, um engenheiro inglês casa-se com uma cearense e aqui se enraiza. Dois de seus netos tentam rever sua vida, unindo memórias da família aos lances da história de um Brasil à época dependente e colonizado pelo Império Britânico.

16:00 h Mostra Informativa

Filmes de Andy Warhol
“Blow Job”
1964 – EUA
18 anos
Filme Mudo. O Rosto de um homem e suas expressões faciais enquanto ele recebe o ato sexual. Representado no título.

“Kiss”
1963 – EUA
18 anos
Kiss mostra diversos casais, homens e mulheres em todas as combinações, que se beijam, ora em close ora em plano aberto. São beijos profundos, sensuais desesperados e também suaves.

“Eat”
1964 – EUA
18 Anos
Este filme filmado em preto e branco, não possui trilha sonora, e é estrelado unicamente por Robert Indiana, um conceituado artista de pop art. O filme se concentra o tempo todo em Robert comendo um cogumelo. Há uma aparição do gato de Robert sobre seu ombro.

“13 most beautiful songs.”
2009 – EUA
18 Anos
É o terceiro álbum de estúdio de Dean & Britta. Foi encomendado pelo Pittsburgh Cultural Trust e The Andy Warhol Museum foi escrito para acompanhar uma coleção de testes de tela filmados na década de 1960 por Andy Warhol com estrelas da The Factory ,incluindo Lou Reed, Nico e Edie Sedgwick.

18:00 h – Mostra Competitiva

“Utopia”
Direção: Aline Portugal e Tonia Marta
2017 – Brasil -15’
Curta – Livre
Utopia é um ensaio fílmico sobre a descoberta de uma cidade: o Rio de Janeiro e sua beleza oculta, que mantém-se distante de quem não a vive de dentro. A beleza do que não é óbvio, do suor cotidiano, dos olhares que se cruzam em meio a ruídos incessantes, do caos urbano, do calor intenso que aquece e ao mesmo tempo estabelece distâncias. A partir de uma metáfora sobre a grandiosidade e beleza de duas cidades – Paris e Praga, é realizado um relato observacional e poético da trajetória de uma jovem imigrante, que conhece e apresenta a cidade para além dos mitos e da imagem vendida pela TV.

“Menino 23: Infâncias Perdidas do Brasil”
Direção: Belisário Franca
2016 – Brasil – 79’
Longa- 10 Anos
A partir da descoberta de tijolos marcados com suásticas nazistas em uma fazenda no interior de São Paulo, o filme acompanha a investigação do historiador Sidney Aguilar e a descoberta de um fato assustador: durante os anos 1930, cinquenta meninos negros foram levados de um orfanato no Rio de Janeiro para a fazenda onde os tijolos foram encontrados. Lá, passaram a ser identificados por números e foram submetidos ao trabalho escravo por uma família que fazia parte da elite política e econômica do país, e que não escondia sua simpatia pelo ideário nazista. Dois sobreviventes dessa tragédia brasileira, Aloízio Silva (o “menino 23”) e Argemiro Santos, assim como a família de José Alves de Almeida (o “Dois”), revelam suas histórias pela primeira vez.

20:00 h – Mostra Competitiva

“Cinema Novo”
Direção: Eryc Rocha
2016 –Brasil – 93’
Longa – 12 anos
CINEMA NOVO é um ensaio poético que investiga um dos principais movimentos cinematográficos latino-americanos, através do pensamento e fragmentos de filmes dos seus principais autores. O filme mergulha na aventura da criação de uma geração de cineastas que inventou uma nova forma de fazer cinema no Brasil – a partir de uma atitude política que juntava arte e revolução – e que tinha como desejo um cinema que tomasse as ruas e fosse ao encontro do povo brasileiro.

23/10/2017 SEGUNDA-FEIRA

15:00 h Mostra Informativa

“Zoo – Um Z & Dois Zeros”
Direção: Peter Greenaway
1985 Reino Unido – 1h 55m
Copia em 35mm
Longa – 16 anos
Duas mulheres morrem em um acidente de trânsito. A motorista perde uma perna. Os maridos das vítimas, no entanto, ficam fascinados com a decomposição dos corpos e começam a fantasiar com a mulher amputada.

17:00 Mostra Informativa

“Moça com Brinco de Pérola”
Direção: Peter Webber
2003 – Brasil – 100’
Longa – 12 anos
Em pleno século XVII vive Griet, uma jovem camponesa holandesa. Devido a dificuldades financeiras, Griet é obrigada a trabalhar na casa de Johannes Vermeer, um renomado pintor de sua época. Aos poucos Johannes começa a prestar atenção na jovem de apenas 17 anos, fazendo dela sua musa inspiradora para um de seus mais famosos trabalhos, a tela ´´Girl with a Pearl Earring”.

19:00 h Premiação e Encerramento do REcine 2017

Cerimônia de Premiação e Encerramento
Exibição de filme do Acervo da Cinemateca
“Bienal, Mão do Povo”
Direção Davi Neves e Gilberto Santeiro
Brasil 10 min
Curta – Livre Exibição em 16 mm

Críticas Relacionadas

Crítica: Rosemberg: Cinema, Colagem e Afetos

Um Animal Político com Garras Afetivas

Crítica: Pendular

Uma experiência da força peso e do movimento oscilatório do casamento

Crítica: Cinema Novo

O dogmatismo do movimento "Cinema Novo" por Eryk Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados