Cannes-palme


A Premiação (Os Vencedores)

Por Fabricio Duque

Direto do Festival de Cannes 2017


A cerimônia já começa com seu glamour no tapete vermelho. Nós, da imprensa, na sala de imprensa, esperando os premiados e próximos às coletivas de imprensa.

Está na hora quando a música típica é iniciada. Confesso que depois de anos, ainda arrepia, principalmente na união “photo call” do júri oficial. Sim, o presidente Pedro Almodóvar está de óculos e trilha sonora “Volver”, na voz de Estrella Morente, do filme homônimo do cineasta espanhol.

O júri adentra o Palais du Festival, no Grand Theatre Lumière. Quem entra Monica Bellucci. Ela começa agradecendo em várias línguas. Cinema, consciência. Respira o real. Ela lista os nomes dos diretores que venceram.


CAMERA d’OR
JEUNE FEMME“, de Léonor Serraille
(Filme do Un Certain Regard). A diretora discursa nervosa e ofegante e agradeça a atriz do filme pela confiança.


MELHOR CURTA-METRAGEM
XIAO CHENG ER YUE – GENTLE NIGHT“, de Qiu Yang


MENÇÃO ESPECIAL CURTA-METRAGEM
KATTO“, de Teppo Airaksinen


MELHOR ROTEIRO (empate)
YOU WERE NEVER REALLY HERE”, de Lynne Ramsay
THE KILLING OF A SACRED DEER“, de Yorgos Lanthimos


PRÊMIO DO JÚRI
NELYUBOV – LOVELESS“, de Andrey Zvyagintsev


MELHOR ATRIZ
DIANE KRUGER, em “Aus Dem Nichts (In The Fade)”, de Fatih Akin


MELHOR ATOR
JOAQUIM PHOENIX, em You “Were Never Really Here”, de Lynne Ramsay (que discursa de smoking com tênis all star)


MELHOR DIRETOR
SOFIA COPPOLA, de “The Beguiled”


GRANDE PRÊMIO DO JÚRI (apresentado por Costa-Gavras)
120 BATTEMENTS PAR MINUTE“, de de Robin Campillo


PALMA ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO DE 70 ANOS (Will Smith imitando a Nicole Kidman)
NICOLE KIDMAN (não por filme, mas sim pelo conjunto de suas obras aqui em Cannes)


PALMA DE OURO DE MELHOR FILME (apresentado por Juliette Binoche, com trilha sonora de “La La Land”)
THE SQUARE“, de Ruben Östlund


Uma premiação totalmente americana, óbvia e diplomática. Juliette Binoche declama um poema em adjetivos. E assim, a edição de setenta anos, chega a seu fim.


Leia a crítica completa de “THE SQUARE”, “120 BATTEMENTS PAR MINUTE”, “LOVELESS”, “THE KILLING OF SACRED DEER”

Críticas Relacionadas

Crítica: The Square

Competição. A utopia diplomática do ajudar.

Crítica + Trailer: 120 Batimentos Por Minuto

Até morrer é um ato político-ativista

Crítica: Nelyubov: Loveless

Competição. Loveless é Todo Amor.

Crítica: The Killing Of A Sacred Deer

Competição. O Prato Frio da Vingança.

Crítica: O Estranho Que Nós Amamos

Competição. As Virgens da Guerra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados