interludio-poster-2

Uma experiência espontânea underground naturalista e intimista

Por Fabricio Duque

Quem acompanha a trajetória cinematográfica do meio carioca meio mineiro Gabraz Sanna nunca sai imune de suas obras. Não há como não se aproximar de suas experiências visuais que amalgamam paixão vivenciada com a estética da narrativa. É explicitamente ao espectador perceber que o diretor se entrega sem ressalvas a própria “ruína” catártica para poder se descobrir, pelo viés literal de uma terapia visceral existencialista, e que assim imerge o público a uma viagem-possibilidade de revisitar as próprias emoções adormecidas e perdidas por causa do comodismo acostumado do tempo. Em seu mais recente filme, “Interlúdio”, curto demais, diga-se de passagem, com seus apenas cinquenta e três minutos, que integra a mostra competitiva da oitava edição da Semana dos Realizadores, transcende o gênero e o próprio feminino ao contar a história de Vanessa e Duda que chegam numa nova cidade à procura de paisagens sonoras para seu novo projeto musical. Todo o cenário underground intimista é ambientado pela condução da sensação súbita de entendimento ou compreensão da essência de instantes etéreos, hipnóticos, psicodélicos, plasmáticos, livres, musicais e poéticos de um cotidiano espontâneo, vivido por elas, de microações continuadas que personificam no presente, um futuro de ficção científica, por potencializar ruídos, que se alinham e reverberam odes musicais de contraste construtivista abstrato. Trocando em miúdos, a maestria está em transformar, com lindeza, suavidade e sensibilidade, o nada banal no tudo completo de vidas naturalistas, respeitadas e compartilhadas. Como já foi dito, é um filme que retrata unicamente a essência-tempo dos bastidores de um processo de produção de uma dupla que aceita as próprias afinidades, gostos e a unicidade da vanguarda em que acreditam, progredindo e reverenciando seus próprios caos e ócios criativos musicais com foco, perseverança, confiança, convicção, autoestima e rotina equilibrada em suas qualidades pessoais e profissionais. Concluindo, a obra, além de obrigatória, ressalta a veia autoral deste diretor que cada vez desperta a paixão arrebatadora de cada um devido a seu mergulho entusiasmo, de condicional fascínio pela visão ímpar, experimental e estendida de sua própria vida que observa a existência amiga e livre de vidas próximas e tão comuns. Recomendado.


Entrevista com o Diretor Gabraz Sanna

 

Como você já sabe: Interlúdio é um dos filmes favoritos do nosso Vertentes do Cinema. O que o público do Rio pode esperar do filme?

Fico extremamente feliz que tenham gostado! Acho o filme bem condizente com o momento atual do Rio, que é hoje uma referência em música experimental, graças a espaços como Plano B e Audio Rebel, dentre outros. Além disso, é um filme sobre afeto e construção. Mesmo não sendo o foco do filme a relação entre as personagens é a guia que nos conduz através de todos os ruídos que insistem ruir e transformar todas as cidades (e filmes) do planeta em ruína.

Como foi o processo criação?

Diferente de todos que já participei. Moramos junto durante 3 meses e, como não tínhamos dinheiro, filmávamos na madrugada e fins de semana. O roteiro foi concebido entre mim, as personagens e a Anne, que fez o som. Assistiamos o que tinhamos filmado e a partir disso criamos novas cenas. A montagem também aconteceu simultâneamente às filmagens, algo que nunca tinha me ocorrido.

Qual a importância da Semana dos Realizadores?

A Semana dos Realizadores se consolidou como um dos mais importantes festivais do Brasil e dos mais prestigiados entre as pessoas que fazem cinema por ter sido criada por alguns dos mais relevantes pensadores e realizadores do cinema atualmente. É um dos raros casos de festival que já nasce grande, onde todo mundo quer lançar filme.

E estamos esperando a trilha sonora do filme. Já tem data? Risos.

Aí tem que cobrar das meninas, que são muito mais perfeccionistas que eu, risos. Acho que se dependesse delas a gente ainda tava montando o filme, ou mesmo gravando a trilha… mas elas têm sim plano de lançar disco em breve. Por enquanto vale se contentar com o que temos online https://postduo.bandcamp.com/releases

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados