star-trek-sem-fronteirasArtigo: O Universo Dissecado e Aprofundado de “Star Trek”

Por Christiane Raphael

“O espaço, a fronteira final… Estas são as viagens da nave estelar Enterprise, em sua missão de cinco anos para a exploração de novos mundos, para pesquisar novas vidas, novas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve!”.

Com esta mensagem, começa “Star Trek” (no Brasil, “Jornada nas Estrelas”; em Portugal, “O Caminho das Estrelas”), inicialmente uma série de televisão norte-americana de ficção científica criada por Gene Roddenberry, produzida pela Desilu Productions (mais tarde pela Paramount Television) e exibida pela NBC de 8 de setembro de 1966 até 3 de junho de 1969.

Apesar de seu título ser Star Trek, adquiriu o retrônimo de Star Trek: The Original Series para se diferenciar de suas sequências e do universo ficcional criado, que se passa no século XXIII. A série levou a criação dos spin-offs “Star Trek”: “The Animated Series”, “Star Trek: The Next Generation”, “Star Trek: Deep Space Nine”, “Star Trek: Voyager” e “Star Trek: Enterprise”. As seis são consideradas parte da mitologia de “Star Trek” e para a alegria dos fãs, está programada para 2017, a sétima série de televisão derivada, sob o título “Star Trek: Discovery”.

Algumas das influências de Roddenberry foram os contos de A. E. van Vogt sobre a nave estelar Space Beagle, a série Marathon de Eric Frank Russell e o filme “Forbidden Planet” (de 1956). Sua intenção está explícita no anúncio: viagens estelares para conhecer novos mundos e novas civilizações, interagindo com seres extraterrestres de forma não invasiva.

No início, a abordagem da série original era antropológica, ética e comportamental, revelando valor moral, com alguns elementos de ação e combate. O ambiente dentro da nave era marcado pela modernidade: homens e mulheres convivendo no âmbito de uma espaçonave, os uniformes femininos eram micro vestidos e ninguém parecia se importar; a tripulação era formada por americanos, japoneses e russos, em uma convivência harmoniosa e com personagens altruístas. Lembre-se que a época era os anos 60, durante a guerra fria e a luta feminista.

Além dos personagens principais, a série frequentemente incluía (geralmente seguranças vestidos de vermelho) os que eram mortos ou se machucavam logo após sua introdução. Tal artifício foi usado tão frequentemente que o termo “camisa vermelha” virou sinônimo de um personagem dispensável cujo único propósito era morrer violentamente para demonstrar o perigo que os personagens principais iriam enfrentar. Também como curiosidade, a frase: “He’s dead, Jim” (“Ele esta morto, Jim”) foi dita e repetida tantas vezes pelo personagem Dr. McCoy que se tornou um bordão entre os nerds, para qualificar qualquer coisa que aparentemente não responda.

Como sequência da série original, Star Trek: The Next Generation, que estreou em 1987, se passava aproximadamente 80 anos depois dos eventos da The Original Series (TOS para os “íntimos”). Enquanto a série e seus spin-offs progrediam, várias personagens fizeram aparições especiais. E claro que o mundo muda e a nova série da franquia “Star Trek: Next Generation” absorve esta mudança, e inserindo em seu contexto elementos extraterrestres, ou seja, consegue amealhar tripulantes de outras raças alienígenas, além dos amigos vulcanos.

Embasados nos conceitos éticos e mais do que nunca, ampliando a diversidade dos seres e culturas, a série se destaca por continuar a debater valores como moral, direitos humanos, lealdade, economia, racismo, religião, tecnologia. A federação dos planetas parece ser uma versão utópica da ONU.
Além das séries, 13 filmes foram realizados e em 2007, a Paramount contratou um novo time criativo para reiniciar a franquia. Roteiristas Roberto Orci e Alex Kurtzman e o produtor J. J. Abrams receberam liberdade total para reinventar “Star Trek”.

Um décimo primeiro foi lançado em maio de 2009. Naquele momento houve uma ruptura entre o que se apresentava e o que os fãs já conheciam. Foi mirado nos não-fãs (visando expandir o mercado do entretenimento visual) e obteve sucesso imediato de critica e bilheteria. Tudo foi mudado. Personagens modificaram características, porém foi mantida a coerência e assim, a estrutura conceitual embasou a precisa justificativa durante um evento no filme. Foi o pulo do gato da direção de J. J. Abrams (neste, como produtor, porque ele optou por dirigir “Star Wars: O Despertar da Força”).

O mais recente filme da franquia, de 2016, em questão aqui, “Star Trek: Sem Fronteiras”, tem liberdade de abordar os temas convencionais, se expandir e busca inspirar os seres humanos a uma situação de harmonia e aceitação das próprias e peculiares diferenças, de maneira não efêmera, abordando situações como: relacionamento gay, futuro, passado, interações românticas entre humanos e alienígenas, lealdade e vingança . Tudo isso sem fronteiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados