Rio de Janeiro, 27/09/2015

E A Maratona Começa…

Por Fabricio Duque
E mais um Festival do Rio está chegando. A edição 2015 apresenta-se mais enxuta, priorizando qualidade à quantidade ao ofertar os filmes que participaram nos maiores festivais de cinema do mundo. É claro, que a versão carioca não está imune à crise, o que talvez tenha “estimulado” a redução. Se analisarmos a lista oficial dos filmes, então poderemos perceber que muitos títulos (até mesmo da mostra competitiva principal do Festival de Cannes 2015) estão de fora. Há quem reclame deste fato, mas caro leitor-espectador-cinéfilo, vocês realmente acham que “dão” conta de trezentos filmes? Nem um “extraterrestre”, tampouco um “vampiro”, o que dizer então de um humano que precisa dormir e precisar realizar deslocamentos para que as sessões sejam assistidas? Este foi outro “problema” questionado aos “quatro ventos”, principalmente pelos “haters”, que reverberam ódios nas redes sociais. Sim, o cinema Lagoon, na Lagoa, é longe, mas por sua vez possui uma alta qualidade de projeção e uma estrutura mais próxima de um grande festival. O Odeon ainda está dentro. As salas do Estação Net Rio saíram da programação, mais que compreensível, visto a diminuição do número de lugares. Imagine a loucura que seria, tanto para jornalistas, quanto ao público.

O Festival do Rio representa inúmeros festivais dentro de um. Cada mostra e ou Rio Market pode ser considerado como um diferente, já que é “humanamente” impossível assistir e ou realizar a cobertura de tudo. De 1º a 14 de outubro de 2015, centenas de títulos de mais de 60 países são trazidos. Além das mostras já tradicionais, como Panorama, Expectativa, Première Brasil, Midnight, Première Latina, Cinema Noir Mexicano (clássicos), FILME DOC (com documentários sobre Sidney Lumet, Fassbinder, Sembene – O Pai do Cinema Africano, Steve McQueen em “velocidade” – dica de Mario Abbade durante o Festival de Cannes deste ano), Fronteiras, Novos Rumos (não perca “Escape From My Eyes” , de Felipe Bragança), Itinerários Únicos (com destaque para “Lígia Clark” e “Xampy”), Lição de Cinema com Hal Hartley, Meio Ambiente (e o imperdível “Os Yes Men em Revolta”), Mostra Geração, Homenagem a Orson Welles in Rio, Personalidade Latino-Americana do Ano – Walter Lima Jr. (com o icônico “Menino de Engenho” de 1965), Studio Ghibli – A loucura e os sonhos (“Meu Amigo Totoro”, “Túmulo dos Vagalumes”), teremos ainda esse ano uma seleção “suculenta” de recortes especiais.

Abertura

“CHICO – ARTISTA BRASILEIRO”, de Miguel Faria Jr. Personagem fundamental da cultura brasileira nos últimos 50 anos, autor, dramaturgo e compositor de uma extraordinária coleção de canções, Chico Buarque dialoga com a própria memória neste filme de Miguel Faria Jr. O longa tem como eixo central o último romance de Chico, “O irmão alemão”, cujos trechos, narrados em off por Marília Pêra, ajudam a reconstruir a trajetória do artista. “É um artista revisitando a sua própria história do ponto de vista da maturidade”, resume o diretor, que em 2005 assinou o bem-sucedido documentário sobre Vinicius de Moraes.

Encerramento

“O CLÔ, de Pablo Trapero. Baseado na história real que abalou a Argentina, o novo filme de Pablo Trapero (Família rodante, Elefante branco) conta a história dos Puccio, uma família de classe média que tem por hábito sequestrar pessoas ricas, pedir o resgate e, ao receber o pagamento, matar as suas vítimas. O patriarca, Arquimedes, comanda as operações ao lado dos filhos Alejandro e Alex, enquanto sua esposa e as filhas fingem ignorar o que acontece à sua volta. Mas as coisas mudam de figura quando um filho distante volta da Austrália, criando novas tensões familiares. Leão de Prata de melhor direção, Veneza 2015.

A PREMIÈRE BRASIL apresenta ao público e ao mercado internacional a multiplicidade da produção audiovisual brasileira recente. Em 2014, são 69 títulos, entre longas e curtas, ficções e documentários, distribuídos nas categorias Competitiva, Retratos, Hors Concours e Novos Rumos. Os filmes Première Brasil concorrem ao Troféu Redentor, eleito por voto popular (melhores longa-metragem e curta-metragem) e pelo júri oficial, composto por expoentes da cinematografia nacional e internacional.



PRÊMIO FELIX 

Há bem pouco tempo, os filmes dedicados ao universo gay tinham destino certo dentro do Festival do Rio: a mostra Mundo Gay. Como reflexo natural das conquistas sociais e civis, os filmes com temáticas relativas à identidade queer transbordaram o limite da mostra para alcançar todos os recortes do Festival, marcando o fim da Mundo Gay e  a chegada do Prêmio Felix. Em seu segundo ano, o Felix segue firme em sua proposta de reunir e premiar o que de mais instigante e relevante há na produção mundial com um olhar voltado à diversidade de gênero. A premiação vai eleger, entre 25 títulos pulverizados por toda a programação do Festival, as melhores narrativas, em documentário e ficção.

A LISTA COMPLETA






Panorama: Grandes Mestres do Cinema 
– Tudo vai ficar bem (Every Thing Will Be Fine), de Wim Wenders, Alemanha/Canadá/França/Suécia/Noruega
– Mia madre, de Nanni Moretti, Itália/França
– Francofonia, de Aleksandr Sokurov, França/Alemanha/Holanda
– 11 minutos  (11 minut), de Jerzy Skolimowski, Polônia/Irlanda
– À sombra de uma mulher (L’Ombre des Femmes), de Philippe Garrel, França 
– Maravilhoso Boccacio (Maraviglioso Boccaccio), de Paolo Taviani, Vittorio Taviani, Itália/França
– Rabin, the Last Day, de Amos Gitai, Israel/França
– Em Jackson Heights (In Jackson Heights), de Frederick Wiseman, Estados Unidos
– Não é um filme caseiro (No Home Movie), de Chantal Akerman, Bélgica/França
– Lugar certo, história errada (Right Now, Wrong Then), de Hong Sangsoo, Coreia do Sul
– Montanha da liberdade (Hill of Freedom), de Hong Sangsoo, Coreia do Sul
– À tarde (Afternoon), de Tsai Ming-liang, China 
– A rua da amargura (Bleak Street), de Arturo Ripstein, México/Espanha
– Um amor a cada esquina (She’s Funny That Way), de Peter Bogdanovich, Estados Unidos/Alemanha 
– Argentina, de Carlos Saura, Argentina/Espanha/França
– Em trânsito (In Transit), de Albert Maysles, Lynn True, Nelson Walker, David Usui, Ben Wu, Estados Unidos
Panorama do Cinema Mundial
– Sicario: terra de ninguém (Sicario), de Denis Villeneuve, Estados Unidos
– O conto dos contos (Tale of Tales), de Matteo Garrone, Itália/França
– O final da turnê (The End of the Tour), de James Ponsoldt, Estados Unidos
– The Lobster, de Yorgos Lanthimos, Irlanda/Reino Unido/França/Grécia/Holanda
– Mon Roi, de Maïwenn, França
– Micróbio & Gasolina (Microbe & Gasoline), de Michel Gondry, França
– Malala (He Named Me Malala), de Davis Guggenheim, Estados Unidos
– Rainha do mundo (Queen of Earth), de Alex Ross Perry, Estados Unidos
– Ned Rifle, de Hal Hartley, Estados Unidos
– Miss You Already, de Catherine Hardwicke, Reino Unido 
– Sr. Holmes (Mr. Holmes), de Bill Condon, Reino Unido
– A bela estação (La Belle Saison), de Catherine Corsini, França
– Truman, de Cesc Gay, Espanha/Argentina
– Je suis Charlie, de Daniel Leconte, Emmanuel Leconte, França
– Love & mercy, de Bill Pohlad, Estados Unidos
– Per amor vostro, de Giuseppe M. Gaudino, Itália/França
– Les Chevaliers Blancs, de Joachim Lafosse, Bélgica/França
– Rabo de peixe, de Joaquim Pinto, Nuno Leonel, Portugal
– Resultados (Results), de Andrew Bujalski, Estados Unidos  
– Nasty Baby, de Sebastian Silva, Estados Unidos
– Grandma, de Paul Weitz, Estados Unidos
– Brasil vs Brasil, de Marcos Prado, Brasil
– Eu sou Michael (I am Michael), de Justin Kelly, Estados Unidos
– Longe deste insensato mundo (Far from the Madding Crowd), de Thomas Vinterberg, Estados Unidos/Reino Unido 
– Os 33 (Los 33), de Patricia Riggen, Chile
– O outro lado (The Other Side), de Roberto Minervini, França/Itália/Estados Unidos
– No andar debaixo (One Floor Below), de Radu Muntean, Romênia  
– Madonna, de Su-Won Shin, Coreia do Sul
– Fatima, de Philippe Faucon, França
– Paz para nós em nossos sonhos (Peace to Us in Our Dreams), de Sharunas Bartas, Lituânia/França/Rússia
– Stop, Kim Ki-Duk, Coreia do Sul/Japão
– Bombay Velvet, de Anurag Kashyap, Índia
– A travessia (The Walk), de Robert Zemeckis, Estados Unidos 
– Aqui em Lisboa – Episódios da vida da cidade, de Denis Côté, Dominga Sotomayor, Gabriel Abrantes, Marie Losier, Portugal/Canadá/França/Chile
– Pecados antigos, longas sombras (La Isla Mínima), de Alberto Rodríguez, Espanha
– A academia das musas (L’Accademia delle Muse), de José Luis Guerín, Espanha
– Ruth & Alex (5 Flights Up), de Richard Loncraine, Estados Unidos 
– A linguagem do coração (Marie’s Story), de Jean-Pierre Améris, França
– Depois de tudo (Through It All), de João Araújo, Brasil
Expectativa 2015 
– Cinco graças (Mustang), de Deniz Gamze Ergüven, França/Alemanha/Turquia 
– Tangerina (Tangerine), de Sean Baker, Estados Unidos
– Necktie Youth, de Sibs Shongwe-La Mer, África do Sul
– Dope, de Rick Famuyiwa , Estados Unidos
– Eu, você e a garota que vai morrer (Me and Earl and the Dying Girl), de Alfonso Gomez-Rejon, Estados Unidos
– The diary of a teenage girl, de Marielle Heller, Estados Unidos
– Coro (Chorus), de François Delisle, Canadá
– Tikkun, de Avishai Sivan, Israel
– Bela e perdida (Bella e perduta), de Pietro Marcello, Itália
– H., de  Rania Attieh, Daniel Garcia, Estados Unidos/Argentina
– Tribunal (Court), de Chaitanya Tamhane, Índia
– Contando (Counting), de Jem Cohen, Estados Unidos
– Nahid, de Ida Panahandeh, Irã
– O quarto código (The Fourth Direction), de Gurvinder Singh, Índia/França
– Transtorno (Disorder), de Alice Winocour, França
– Mediterrânea (Mediterranea), de Jonas Carpignano, Itália/França /Estados Unidos/Alemanha/Qatar
– Paraíso fétido (Stinking Heaven), de Nathan Silver,Estados Unidos
– Eu, Soldado (I am a Soldier), de Laurent Larivière, França/Bélgica
– Cavalo negro (The Dark Horse) , de James Napier Robertson, Nova Zelândia
– Febre ondulante (Undulant Fever), de Ando Hiroshi, Japão
– In natura (Out of Nature), de Ole Giæver, Marte Vold, Noruega 
– 10 anos, divorciada (I Am Nojoom, Age 10 and Divorced), de Khadija Al-Salami, Iêmen  
– Dégradé, de Arab Nasser, Tarzan Nasser, França/Palestina 
– Histórias de nossas vidas (Stories of Our Lives), de Jim Chuchu, Quênia
– Short Skin, de Duccio Chiarini, Itália
– Sangue francês (Un Français), de Diastème, França
– Zoom, de Pedro Morelli, Brasil/Canada
– Dora ou as neuroses sexuais de nossos pais (Dora or The Sexual Neuroses of Our Parents), de Stina Werenfels, Suíça/Alemanha
– Aos 14 (Being 14), de Helene Zimmer, França
– Koza, de Ivan Ostrochovský, Eslováquia/República Tcheca 
– Sol a pino (The High Sun), de Dalibor Matanic, Croácia/Eslovênia /Sérvia
– Gigante adormecido (Sleeping Giant), de Andrew Cividino, Canadá
– Como gente grande (Learn by Heart), de Mathieu Vadepied, França  
– Sem ar (Tiempo sin Aire), de Samuel Martín Mateos, Andrés Luque Pérez, Espanha
– Sem fronteiras (Borderless), de Amirhossein Asgari , Irã
– Os exilados românticos (Los Exiliados Románticos ), de Jonás Trueba, Espanha
– Streetkids United II, as meninas do Rio (Streetkids United II, The Girls From Rio), de Maria Clara Costa, Brasil/Holanda/Reino Unido
– Filhos de Bach, de Ansgar Ahlers, Alemanha/Brasil
– Ninguém ama ninguém… Por mais de dois anos (No One Loves Anyone… For More Than Two Years), de Clovis Mello, Brasil
– Quanto tempo o tempo tem (Transtime), de Adriana L. Dutra, Brasil
– Dá licença de contar (Stories of Samba), de Pedro Serrano, Brasil
– Pêras (Pears), de Karen Sztajnberg, Estados Unidos
– Rebelião (Riot), de Nathan Silver, Estados Unidos
Première Latina 
– Sociedade indiferente (Un monstruo de mil cabezas), de Rodrigo Plá, México
– 600 Millas, de Gabriel Ripstein, México  
– O incêndio (El Incendio), de Juan Schnitman, Argentina
– As escolhidas (Las Elegidas), de David Pablos, México
– Paulina, de Santiago Mitre, Argentina/Brasil/França  
– Allende meu avô Allende (Allende mi abuelo Allende), de Marcia Tambutti Allende, Chile/México
– Te prometo anarquia (Te Prometo Anarquía), de Julio Hernández Cordón, México/Alemanha
– A obra do século (La Obra del Siglo), de Carlos Machado Quintela, Cuba/Argentina/Suíça/Alemanha
– Lúcifer (Lucifer), de Gust Van den Berghe, México/Bélgica
– A aula vazia (El Aula Vacía), de Gael García Bernal, Flavia Castro, Mariana Chenillo, Pablo Fendrik, Carlos Gaviria, Tatiana Huezo, Lucrecia Martel, Nicolás Pereda, Eryk Rocha, Pablo Stoll, Daniel e Diego Veja, México/Argentina/Brasil/Colômbia/El Salvador
– Viagem (Viaje), de Paz Fabrega, Costa Rica
– O homem novo (El Hombre Nuevo), de Aldo Garay, Uruguai/Chile/Nicarágua
– Hilda, de Andrés Clariond Rangel, México
– Sozinhos (Solos), de Joanna Lombardi, Peru
– Aurora, de Rodrigo Sepúlveda, Chile
– O silêncio do rio (El Silencio del Río), de Carlos Tribiño Mamby, Colômbia/Uruguai/França
– O caçador de estátuas (Rastreador de estatuas), de Jeronimo Rodriguez, Chile
– Semana santa, de Alejandra Márquez Abella, México
– A terra vermelha (La Tierra Roja), de Diego Martínez Vignatti, Bélgica/Argentina/Brasil
Midnight Movies 
– Apocalipse yakuza (Yakuza Apocalypse), de Takashi Miike, Japão
– A Colina Escarlate (Crimson Peak), de Guillermo Del Toro, Estados Unidos
– Escritório (Office), de Johnnie To, Hong Kong/China 
– Green Room, de Jeremy Saulnier, Estados Unidos
– Entertainment (Rick Alverson), Estados Unidos
– O pesadelo – Paralisia do sono (The Nightmare), de Rodney Ascher, Estados Unidos
– Paz & Amor (Love & Peace), de Sion Sono, Japão
– Endorfina (Endorphine), de Andre Turpin, Canadá
– Der Nachtmahr: seu pior pesadelo (Der Nachtmahr), de Akiz, Alemanha
– As fábulas negras (The Black Fables), de Rodrigo Aragão, Joel Caetano, Petter Baiestorf, José Mojica Marins, Brasil
– Schneider vs. Bax, de Alex van Warmerdam, Holanda/Bélgica
– Straight outta compton – a história do N.W.A. (Straight Outta Compton), de F. Gary Gray, Estados Unidos
– Kiri – Profissão: assassino (Kiri – Profession: Assassin), de Koichi Sakamoto, Japão, Estados Unidos
– HOMENAGEM A WES CRAVEN: Pânico (Scream), de Wes Craven, Estados Unidos
– 25 ANOS DE LUA DE CRISTAL!: Lua de cristal, de Tizuka Yamasaki, Brasil
Midnight Docs 
– MIDNIGHT DOCS MÚSICA: The Reflektor Tapes, de Kahlil Joseph, de Reino Unido
– MIDNIGHT DOCS MÚSICA: Janis Joplin: Little Girl Blue (Janis: Little Girl Blue), de Amy Berg, Estados Unidos
– MIDNIGHT DOCS MÚSICA: James Brown: Mr. Dynamite (Mr. Dynamite: The Rise of James Brown), de Alex Gibney, Estados Unidos
– Cartel Land, de Matthew Heineman, Estados Unidos/México
– Os irmãos lobo (The Wolfpack), de Crystal Moselle, Estados Unidos
– Going Clear: Scientology and the Prison of Belief, de Alex Gibney, Estados Unidos
– O mundo de Daniel (Daniel’s World), de Veronika Lišková, República Tcheca
– Obrigado por jogar (Thank You For Playing), de David Osit, Malika Zouhali-Worrall, Estados Unidos  

– Melhores inimigos (Best of Enemies), de Morgan Neville, Robert Gordon, Estados Unidos

– O pica pau russo (The Russian Woodpecker), de Chad Gracia, Reino Unido/Ucrânia/Estados Unidos
– Batalhas (Battles), de Isabelle Tollenaere, Bélgica/Holanda
– Cárcere 4614: Prisioneiros do fetiche (Prison System 4614), de Jan Soldat, Alemanha
– Cockpit (The Cockpit), de Sho Miyake, Japão
– Stand by for tape back-up: memória em VHS (Stand by for Tape Back-up), de Ross Sutherland , Reino Unido
– Copycat, de Charlie Lyne, Reino Unido
Fronteiras  
– Apanhadora de sonhos (Dreamcatcher), de Kim Longinotto, Reino Unido/Estados Unidos
– Os panteras negras: vanguarda da revolução (The Black Panthers: Vanguard of the Revolution), de Stanley Nelson, Estados Unidos
– O peso do silêncio (The Look of Silence), de Joshua Oppenheimer, Anônimo, Dinamarca/Finlândia/Indonésia/Noruega/Reino Unido
– Chicas nuevas 24 horas, de Mabel Lozano, Espanha/Paraguai/Argentina/Colômbia/Peru
– Filha da Índia (India’s Daughter), de Leslee Udwin, Reino Unido/Índia
– Terra natal (Iraque ano zero) parte I – antes da queda (Homeland (Iraq Year Zero) Part I – Before the Fall), de Abbas Fahdel, Iraque/França
– Terra natal (Iraque ano zero) parte II – depois da batalha (Homeland (Iraq Year Zero) Part II – After the Battle), de Abbas Fahdel, Iraque/França
– Speed sisters: irmãs na velocidade (Speed Sisters), de Amber Fares, Palestina/Estados Unidos/Qatar/Reino Unido/Dinamarca
– Terão de nos matar primeiro (They Will Have to Kill Us First), de Johanna Schwartz, Reino Unido
– Entre fiéis (Among the Believers), de Mohammed Naqvi, Hemal Trivedi, Paquistão/Estados Unidos

– Dr. Mukwege: o homem que conserta mulheres (The Man Who Mends Women), de Thierry Michel, Bélgica

– K2 e os lacaios invisíveis (K2 and the Invisible Footmen), de Iara Lee, Estados Unidos
– Istambul: crônica de uma revolta (Chronik einer Revolte – Ein Jahr Istanbul), de Biene Pilavci, Ayla Gottschlich, Alemanha
– A marcha dos elefantes brancos (The March of the White Elephants), de Craig Tanner
– Levante! (Uprising!), de Susanna Lira, Barney Lankester-Owen, Brasil
Itinerários Únicos 
– Peggy Guggenheim – Paixão por arte (Peggy Guggenheim – Art Addict), de – Lisa Immordino Vreeland, Estados Unidos/Reino Unido/Itália 
– Bem-vinda a esta casa (Welcome to this House), de Barbara Hammer, Estados Unidos/Canadá/Brasil
– Doug Aitken – de estação em estação (Station to Station), de Doug Aitken, de Estados Unidos
– Troublemakers, a história da Land Art, de James Crump, Estados Unidos
– Cozinhando o melhor do mundo: El Celler de Can Roca (Cooking Up a Tribute), de Luis González, Andrea Gómez, Espanha
– Iris, uma vida de estilo (Iris), de Albert Maysles, Estados Unidos 
– O culto a J.T. Leroy (The Cult of J.T. LeRoy), de Marjorie Sturm, Estados Unidos
– Sentimentos são fatos – a vida de Yvonne Rainer (Feelings Are Facts: The Life of Yvonne Rainer), de Jack Walsh, Estados Unidos
– Um conto de bailarina (A Ballerina’s Tale), de Nelson George, Estados Unidos
– Hockney, de Randall Wright, Reino Unido
– Paco de Lucía, a busca (Paco de Lucía, La Búsqueda), de Francisco Sánchez Varela, Espanha
– Dândi Negro – Uma beleza política (Black dandy, une beauté politique), de Laurent Lunetta, França
– Jeff Koons, abrace seu passado (Jeff, Embrace Your Past), de Roger Teich, Estados Unidos
– Lygia Clark em Nova York (Lygia Clark in New York), de Daniela Thomas, Brasil
– Carmen – Life is a celebration, de Mauricio Branco, Brasil
– Xampy, de Paulo Menezes, Daniel Wierman, Brasil
Filme Doc
– By Sidney Lumet, de Nancy Buirski, Estados Unidos 

– Sembene! – O pai do cinema africano (Sembene!), de Samba Gadjigo, Jason Silverman, Estados Unidos/Senegal

– Fassbinder – Amor sem cobranças (Fassbinder – To Love Without Demands), de Christian Braad Thomsen, Dinamarca 
– Steve McQueen: o homem e a velocidade (Steve McQueen: The Man & Le Mans), de Gabriel Clarke, John McKenna, Reino Unido/Estados Unidos
– Uma verdade cintilante (A Flickering Truth), de Pietra Brettkelly, Nova Zelândia/Afeganistão
Meio Ambiente
– Naomi Klein: Isso muda tudo (This Changes Everything), de Avi Lewis, Canadá/Estados Unidos
– Humano (Human), de Yann Arthus-Bertrand, França
– Os Yes Man em revolta (The Yes Men Are Revolting), de Laura Nix, Andy Bichlbaum, Mike Bonanno, Estados Unidos
– 10 bilhões (10 Billion), de Peter Webber, Reino Unido
– Indian point: uma usina nuclear em Nova York (Indian Point), de Ivy Meeropol, Estados Unidos 
– Açúcar! (That Sugar Film), de Damon Gameau, Austrália
– Contenção (Containment), de Peter Galison, Robb Moss, Estados Unidos
– Carvão branco (White Coal), de Georg Tiller, Áustria  
– A corrida contra a extinção (Racing Extinction), de Louie Psihoyos, Estados Unidos
Geração
– Happy end?, de Petra Clever, Alemanha  
– 14+, de Andrey Zaytsev, Rússia 
– Camelo celestial, de Yuriy Feting, Rússia
– O desejo de Jack (Jack’s Wish), de Anne de Clercq, Holanda
– Aviãozinho de papel (Paper Planes), de Robert Connolly, Austrália  
Orson Welles 
– Too much Johnson, de Orson Welles, Estados Unidos
– Soberba (The Magnificent Ambersons), de Orson Welles, Estados Unidos
– Falstaff – o toque da meia noite (Chimes at Midnight), de Orson WellesEspanha/França/Suíça
– Wellesiana: raridades de Orson Welles (Wellesiana: Rare Welles’ Footage), de Orson Welles e outros 
– Volta ao mundo com Orson Welles (Around the World with Orson Welles), de Orson Welles, Reino Unido
– Otelo (Otello), de Orson Welles, Estados Unidos/Itália/Marrocos/França
– DOCUMENTARIOS: Orson Welles, autópsia de uma lenda (Orson Welles, Shadows and Light), de Elisabeth Kapnist, França
– DOCUMENTÁRIOS: This Is Orson Welles, de Clara Kuperberg, Julia Kuperberg, França
– DOCUMENTÁRIOS: O mago: vida e obra de Orson Welles (Magician: The Astonishing Life and Work of Orson Welles), de Chuck Workman, Estados Unidos  
Estúdio Ghibli 
– As memórias de Marnie (When Marnie Was There), de Hiromasa Yonebayashi , Japão
– Meu amigo Totoro (My Neighbor Totoro), de Hayao Miyazaki, Japão
– Porco Rosso: o último herói romântico (Porco Rosso), de Hayao Miyazaki, Japão
– Meus vizinhos, os Yamadas (My Neighbors the Yamadas), de Isao Takahata, Japão
– O reino dos gatos (The Cat Returns), de Hiroyuki Morita, Japão
– Contos de terramar (Tales from Earthsea), de Goro Miyazaki, Japão
– Os pequeninos (The Secret World of Arrietty), de Hiromasa Yonebayashi, Japão
– Túmulo dos vagalumes (Grave of the Fireflies), de Isao Takahata, Japão
– O castelo de cagliostro (O Castelo de Cagliostro), de Hayao Miyazaki, Japão
Lição de Cinema com Hal Hartley
– Ned Rifle, de Hal Hartley, Estados Unidos
– Flerte (Flirt), de Hal Hartley, Estados Unidos/Alemanha/Japão
– Simples desejo (Simple Men), de Hal Hartley, Itália/Reino Unido/Estados Unidos
Tesouros da Cinemateca 
– Menino de engenho (Plantation Boy), de Walter Lima Jr, Brasil
Cinema Noir Mexicano
– Outro amanhecer (Distinto Amanecer), de Julio Bracho, México
– A outra (La Outra), de Roberto Gavaldón, México
– A deusa ajoelhada (La diosa arrodillada), de Roberto Gavaldón, México
– As riquezas do Diabo (Los dineros del diablo), de Alejandro Galindo, México 
– Na palma de tua mão (En la palma de tu mano), de Roberto Gavaldón, México 
– A noite avança (La noche avanza), de Roberto Gavaldón, México

PREMIÈRE BRASIL
Mostra competitiva de longas-metragens de ficção
“Aspirantes”, de Ives Rosenfeld, 75 min (RJ)
“A Floresta Que se Move”, de Vinícius Coimbra, 99 min (RJ)
“Beatriz”, de Alberto Graça, 99 min (RJ)
“Boi Neon”, de Gabriel Mascaro, 101 min (PE)
“Califórnia”, de Marina Person, 85 min (SP)
“Campo Grande”, de Sandra Kogut, 109 min (RJ)
“Introdução à Música do Sangue”, de Luiz Carlos Lacerda, 95 min, (RJ)
“Mate-me Por Favor”, de Anita Rocha da Silveira, 101 min (RJ)
“Mundo Cão”, de Marcos Jorge, 100 min (SP)
“Nise – Coração da Loucura”, de Roberto Berliner, 109 min (RJ)
“Órfãos do Eldorado”, de Guilherme Coelho, 96 min (RJ)
“Quase Memória”, de Ruy Guerra, 95 min (RJ
“Tudo que Aprendemos Juntos”, de Sérgio Machado, 100 min (SP)
Mostra competitiva de longas-metragens de documentário
“Betinho – A Esperança Equilibrista”, de Victor Lopes, 90 min (RJ)
“Cordilheiras no Mar: A Fúria do Fogo Bárbaro”, de Geneton Moraes Neto, 98 min (RJ)
“Crônica da Demolição”, de Eduardo Ades, 89 min (RJ)
“Futuro Junho”, de Maria Augusta Ramos, 100 min (RJ)
“Marias”, de Joana Mariani, 73 min (SP)
“Mario Wallace Simonsen, Entre a Memória e a História”, de Ricardo Pinto e Silva, 110 min (SP)
“Olmo e a Gaivota”, de Petra Costa e Lea Glob, 82 min (SP)
Mostra competitiva de curtas-metragens
“Até a China”, de Marão, 15 min (RJ)
“Cumieira”, de Diego Benevides, 13 min (PB)
“Fantasia de Papel”, de Tetê Mattos, 15 min (RJ)
“Guida”, de Rosana Urbes, 12 min (SP)
“Mar de Fogo”, de Joel Pizzini, 8 min (RJ)
“Marrocos”, de Andrea Nero e Iajima Silena, 8 min (SP)
“Olho-Urubu”, de André Guerreiro Lopes, 13 min (SP)
“Pele de Pássaro”, de Clara Peltier, 15 min (RJ)
“Serra do Caxambu”, de Marcio Brito Neto, 15 min (RJ)
“Som Guia”, de Felipe Rocha, 15 min (RJ)
Novos Rumos
Longas-metragens
“A Morte de J.P. Cuenca”, de João Paulo Cuenca, 90 min (RJ)
“A Seita”, de André Antônio, 70 min (PE)
“Beira-Mar”, de Filipe Matzembacher & Marcio Reolon, 83 min (RS)
“Clarisse ou alguma coisa sobre nós dois”, de Petrus Cariry, 84 min (CE)
“Jonas”, de Lô Politi, 90 min (SP)
“Ralé”, de Helena Ignez, 73 min (SP)
Curtas-metragens
“Escape From My Eyes”, de Felipe Bragança, 30 min (RJ)
“Imóvel”, de Isaac Pipano, 20 min (RJ)
“Outubro Acabou”, de Karen Akerman, Miguel Seabra Lopes, 24 min (RJ)
“Tarântula”, de Aly Muritiba, Marja Calafange, 20 min (PR)


Prêmio Felix 2015
Première Brasil
– Beira-Mar
– Califórnia
– Ralé
– A seita
Panorama: Grandes mestres
– À tarde
– Em Jackson Heights
Panorama
– Aqui, em Lisboa – Episódios da vida da cidade
– A bela estação
– Eu sou Michael
– Grandma
– Nasty Baby
Première Latina
– O homem novo
– Te prometo anarquia
Expectativa
– Histórias de nossas vidas
– Tangerina
Midnight Docs
– Cárcere 4614: Prisioneiros do fetiche
Filme Doc
– Fassbinder – Amor sem cobranças
Mostra Geração
– O desejo de Jack
– Happy End?
Itinerários Únicos
– Bem-vinda a esta casa
– O culto a J.T. LeRoy
– Hockney
– Sentimentos são fatos: a vida de Yvonne Rainer
– Xampy
Meio Ambiente
– Os Yes Man em revolta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados