“As dificuldades foram a
burocracia de um estado inoperante e uma sociedade insensível a uma causa que é
urgente”, “O Planalto (em Brasília) é um retrato do nosso país, com os mesmos
preconceitos e a ignorância que o nosso país tem”, “A nossa sociedade é assim”,
“Queremos viver em uma sociedade mais madura, que possa debater temas complexos
de uma maneira mais honesta e, principalmente, com informação”, disse um dos
diretores Raphael Erichsen. 
Por Fabricio Duque
“Ilegal”, documentário de Tarso
Araújo e Raphael Erichsen, representa uma obra de pesquisa “sensorial” de
utilidade pública. Utilizando-se da carga emocional presente no tema, sem gerar
sensacionalismos exacerbados, o filme é um poderoso discurso questionador sobre
os benefícios da maconha medicinal, com enfoque no composto Canabidiol,
comprovado como a “única” solução medicamentosa a fim de “zerar” as convulsões por
crises epilépticas repetidas (60 a 80 por semana). “Ilegal” retrata o
drama de mães que fazem de tudo para “proteger” e dar saúde aos seus filhos,
nem que para isso se tornem “traficantes” por trazer o medicamento ilegal dos
Estados Unidos. A luta dessas “guerreiras” e “baixinhas invocadas” é diária e “imediata”.
Elas precisam modificar o senso comum de que a maconha não é “do mal”,
modificar a percepção já massificada e enraizada dos médicos, modificar a
legislação para que libere a importação (e ou a produção) de CBD e modificar a
Anvisa, órgão regulador dos registros dos remédios. Batalha-se pelo direito da
pesquisa de novas drogas advindas da canabis. É muita coisa. A narrativa do
documentário não quer chocar o espectador, mas sim documentar por imagens de
arquivos a “prova” de que seus os filhos (“uma bonequinha bem quietinha e
inerte”) possuem convulsões reais e por depoimentos das mães (e de pais). “O
que existe a gente vai, até em Centro espírita”, diz um pai com desespero hiperbólico.
Tentam transpassar “uma possibilidade que acaba com qualquer preconceito”, mas “empacam”
na “triste” burocracia brasileira (atendentes técnicos, despreparados e
intolerantes do SAC telemarketing dos órgãos públicos – Anvisa, Correios),
atrapalhando assim “uma vida”. Espera-se de “mãos e pés atados”. Seguindo a
máxima repetitiva de “É da Maconha? Sou contra”, o longa-metragem “mexe com
assuntos morais”. E foi preciso uma repercussão expositiva da mídia (o
curta-metragem exibido na Rede Globo que inspirou o documentário em questão
aqui – Fantástico, Fátima Bernardes) de um programa especial para que o tema
entrasse “em pauta” na nossa sociedade. A “demanda social” desencadeia, por
mais que não queiram, o “fazer política”. Elas só querem o “direito” de salvar
seus filhos da “epilepsia refratária” e do “uso medicamentoso” da maconha. O
filme “atesta” que somos um Brasil atrasado, com pudores e que se precisa “enfrentar
o lobby da big farma”. “Eu preciso lutar por ele, é o meu filho único”, diz-se,
gerando nos espectadores mais céticos um “bolo” na garganta de revolta. “Canabidiol”
é um medicamento “proscrito”, proibido e a importação de seu uso pode ser “taxado”
de “tráfico” (“crime hediondo”). Em alguns momentos, é ampliada a questão de
que a maconha também “alivia” os sintomas das pessoas com câncer, esclerose
múltipla, depressão e de “substituição” à morfina. Essas mães (e pais) tentam
com afinco conversar com políticos para mudar leis e assim “humanizar (aceitando
e a “desmistificando”) a maconha” (de efeito psicoativo em seu uso
exclusivamente medicinal). São “vidas em espera por causa de interesses
políticos”. Um filme obrigatório, necessário, importantíssimo, impactante e que
incomoda por “espelhar” (fielmente) o universo social que vivemos. “Vergonha de
ser brasileiro”, finaliza-se. A protagonista-mor foi Katiele, mãe de Anny, que
se tornou a primeira brasileira a conseguir, pela Justiça, importar um
medicamento derivado da maconha. “Elas se tornaram ícones da luta pela maconha
no Brasil”, disse um dos diretores Raphael Erichsen.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados