Grande toque
Por Marise Carpenter
Intocáveis é genial desde o título, se tocaram? Não é a toa que a palavra chave do filme é Paradigma. É a quebra do paradigma do deficiente que nao se pode tocar, coitadinho, se tocaram? É claro que no filme os diálogos são trabalhados e que na vida real falar com um deficiente nos faz sentir deficientes: cheios de dedos. Mas, aí é que entra a magia do cinema e a necessidade da sua existência: favorece a nossa imaginação e nos potencializa para a criatividade. Falar como Driss fala com Philippe é tocar no seu lado não deficiente, no seu lado que nao quebrou e isso é que faz toda a diferença: que é a quebra do paradigma. Ta aí o sucesso de Intocáveis porque alivia a nos seres sem deficiência a não nos deixar ser atropelados por uma cadeira de rodas e nos tocar, e dar passagem, para que eles vivam a vida, com limitação física sim, porém, com infinitas perspectivas. Assim como diante da imensidao do mar olhamos para o infinito, se tocou?

LEIA TAMBÉM: “Intocáveis”, por Fabricio Duque

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados