Ficha Técnica

Direção: Sofia Coppola
Roteiro: Sofia Coppola
Elenco: Benicio Del Toro, Michelle Monaghan, Elle Fanning, Stephen Dorff, Laura Ramsey, Alden Ehrenreich, Robert Schwartzman, Paul Vasquez, Chris Pontius
Fotografia: Harris Savides
Música: Phoenix
Produção: G. Mac Brown, Roman Coppola, Sofia Coppola,
Distribuidora: Paramount Pictures Brasil
Duração: 97 minutos
País: Estados Unidos
Ano: 2010
COTAÇÃO: ENTRE O MUITO BOM E O EXCELENTE

A opinião

A diretora Sofia Coppola seguiu o caminho diferente de seu pai, Francis Ford Coppola, de “O Poderoso Chefão”, “Apocalypse Now” e “Tetro” – o seu mais recente filme. Ela enveredou-se à modernidade, introspecção e leveza. Assim, fugiu do estilo violento e desconfiado do seu progenitor. Sophia causou burburinho quando apresentou o seu primeiro longa “As Virgens Suicidas”, abordando o tema polêmico – causas e consequências – do suicídio social contemporâneo. Em seguida, transformou a história de Maria Antonieta em uma fábula realista e jovem – com a famosa cena do all-star, mostrando o dia-a-dia da realeza. Fez também “Encontros e Desencontros”, uma trama confusa sobre um amor confuso – vencendo na categoria de Melhor Roteiro Original no Oscar 2003 e Globo de Ouro (mesma categoria). Em seu último filme, vencedor do Leão de Ouro de Melhor Filme no Festival de Veneza em 2010, “Um Lugar Qualquer” pode ser considerado uma tradução digna de “Somewhere”, já que, assim, resume o universo que Sofia projetou a sua trama. O longa apresenta-se como uma narrativa de espera contemplativa. Um cotidiano com suas ações banais e comuns, como o café da manhã e assistir ao tempo passar.

É um lugar qualquer que aborda a vida de Johnny Marco (Stephen Dorff), um ator de Hollywood hospedado no tradicional hotel Chateau Marmont para recuperar-se de um acidente ocorrido durante uma filmagem. Ele passa os dias bebendo e participando de farras – Pole Dance e dançarinas temáticas. Sua tranquilidade acaba quando recebe a visita de sua filha de 11 anos, Cleo (Elle Fanning – irmã mais nova de Dakota Fanning). Embora seja negligente com a menina de início, a paulatina aproximação leva Johnny a reavaliar sua vida. Até porque os papéis se invertem. Critica-se a individualidade dos pais, transpassando aos filhos a responsabilidade da sobrevivência. A cena que a filha cozinha e acorda o pai expressa bem o que acabei de dizer. Uma das características da diretora é a escolha da trilha sonora de sus filmes. É excelente. Neste, há Foo Fighters, Phoenix e Strokes, entre outros, ambientando o popular desvirtuado por não existir pudores. A naturalidade é presente. Parece que se vê uma camera que foi esquecida de desligar. Isso é feito, dançando com precisão entre o limite tênue do excesso. Essa competência faz com que os planos longos e únicos sejam absorvidos com satisfação positiva do espectador. A camera ora participa – colando em seus personagens, ora observa e às vezes não quer dizer nada. O roteiro critica o nada que o personagem principal se encontra. É uma rotina da futilidade.

Assim, Sofia alfineta o mundo cinematográfico atual – de Hollywood – quando mostra coletivas de imprensa com perguntas de jornalistas despreparados e fofoqueiros. A fotografia, atemporal, é um misto de nostalgia – como um final de tarde de sol visto pelas lentes de um óculos de sol – e documentário ficcional, por usar um tom alaranjado e extremamente iluminado, porém com um brilho quase sem cor. Na trama, algo acontece. Johnny recebe mensagens misteriosas no celular. Mas isto é o que me menos importa à história. Em certo momento, personagens assistem ao seriado Friends, dublado em italiano, na televisão. De novo, a figura do all-star. O pai vive a vida dele, mas agora precisa pensar em sua filha. Há resignação em viver um mundo que se pode ter tudo a qualquer hora. A solução é mudar. Utilizar o radicalismo passional, com a base de se poder retornar. Concluindo, é um filme que deixa a trama acontecer, imprimindo ritmo lento, porém conservando como as ações realmente acontecem no dia-a-dia. Vale muito a pena assistir. É excelente. Recomendo.



A Diretora

Sofia Coppola nasceu em Nova Iorque, 14 de maio de 1971. É filha do também cineasta Francis Ford Coppola e prima do ator Nicolas Cage. Tem duas filhas, Romy nascida no dia 28 de novembro de 2006, e Cosima, nascida em Junho de 2010, fruto de seu relacionamento com o músico Thomas Mars da banda Phoenix. Eles se conheceram quando ele concedeu uma de suas músicas para o filme Encontros e Desencontros (Lost in Translation). O casal continua junto. Em 2009, o cantor americano Sufjan Stevens compôs e produziu uma música à atriz/diretora chamada “Song for Sofia”, ou “Sofia’s Song”. O filme sobre a vida de Maria Antonieta, a última rainha de França, com Kirsten Dunst e Jason Schwartzman nos principais papéis, foi lançado em 24 de Março de 2006 no Festival de Cannes. Tem como influências artísticas o cinema de Federico Fellini e de Michelangelo Antonioni; no filme Lost in Translation, presta homenagem ao primeiro, quando os protagonistas assistem ao filme La Dolce Vita.

Filmografia

2010 – Um Lugar Qualquer
2006 – Maria Antonieta
2003 – Encontros e Desencontros
1999 – As Virgens Suicidas
1998 – Lick the Star (curta)
1998 – Videoclipe dos White Stripes – I Just Don’t Know What To Do With Myself

Como atriz

As suas performances como atriz não obtiveram destaque, e Sofia Coppola eventualmente abandonou a atuação para se dedicar exclusivamente à realização.

1999 – Star Wars Episode I – A Ameaça Fantasma
1990 – O Poderoso Chefão III
1986 – Peggy Sue: Seu Passado a Espera
1983 – O Selvagem da Motocicleta
1972 – O Poderoso Chefão


IMAGEM ARQUIVO PESSOAL – SOFIA COPPOLA E SEU PAI FRANCIS FORD COPPOLA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados