Marcello Vincenzo Domenico Mastrojanni nasceu em Fontana Liri, 28 de setembro de 1924 e faleceu em Paris, 19 de dezembro de 1996. Ele é considerado o maior ator da Itália e um dos melhores atores de todos os tempos. A filmografia é incrível e extensa.

Em 1945, começou a trabalhar para uma empresa de cinema, como figuração em Marionette de Carmine Gallone, em La corona di ferro de Alessandro Blasetti, em Una storia d’amore de Mario Camerini, e em I bambini ci guardano de Vittorio De Sica. Em 1943, consegue o Diploma de Empreiteiro no Istituto Técnico-industrial Carlo Grella (atualmente Galileo Galilei). Começa a ter as primeiras aulas de teatro e novamente bate nas portas do cinema. Nesta época que partilha as suas aspirações como ator com uma jovem desconhecida, Silvana Mangano, e os dois vivem um breve romance.

A verdadeira estréia no cinema vem em 1948 com I miserabili, filme de Riccardo Freda – adaptação cinematográfica do livro homônimo Os miseráveis de Victor Hugo. Nesta mesma época começa a obter pequenas participações no teatro, primeiro em companhia de amadores. É notado por Luchino Visconti, que lhe oferece o seu primeiro personagem como ator profissional, em As You Like It de William Shakespeare (1948, Teatro Eliseo – Roma) e depois em Um Bonde Chamado Desejo de Tennessee Williams (1949, Teatro Eliseo – Roma), que interpreta Mitch (Kowalsky em vez disso é interpretado por Vittorio Gassman).

Nesta ocasião conhece Flora Carabella, sua futura esposa, que interpreta um papel menor. Os dois se casam em 1950 e tem uma filha juntos, Barbara.
Depois de ter interpretado sob a direção de Luciano Emmer diversos papéis como ator inexperiente em comédias neo-realistas (Domenica d’agosto, Parigi è sempre Parigi, Le ragazze di Piazza di Spagna), também chega para cinema os primeiros papéis dramáticos em Febbre di vivere de Claudio Gora, Cronache di poveri amanti de Carlo Lizzani, As noites brancas de Luchino Visconti e Peccato che sia una canaglia, filme de 1954, direção do cineasta Alessandro Blasetti.

A afirmação definitiva chega em 1958 com I soliti ignoti, Adua e le compagne (1960) e Il bell’Antonio (1961). Com Divórcio à italiana (1961) ganha o Nastro d’argento, o prêmio BAFTA e uma indicação ao Oscar como Melhor Ator.

As duas obras-primas de Federico Fellini: A Doce Vida (1960) e 8½ (1963) lhe proporcionam o sucesso internacional e a fama de latin lover, da qual irá, mais ou menos inutilmente, defender-se quando se torna mais velho. Esta é a razão pela qual, logo após o sucesso de A Doce Vida, para se afastar do mito de sex symbol aceita interpretar o papel de um impotente no filme Il bell’Antonio, adaptação cinematográfica do livro homônimo de Vitaliano Brancati.

Em 1962 a revista americana Time lhe dedica uma matéria, como o ator estrangeiro mais admirado nos EUA. O seu fascínio, como ator, não vinha apenas da sua beleza e da interpretação sempre de altíssimo nível, também de um certo descaso, às vezes escondido, em que parecia revelar uma velada melancolia e por vezes mesmo uma certa timidez.

Em 1963 interpreta em Os Companheiros de Mario Monicelli, o personagem de um intelectual comunista que fomenta a revolta da fabrica e então sob a direção de Vittorio De Sica, com Sophia Loren como protagonista femminina: Ontem, Hoje e Amanhã (1963), Matrimonio all’italiana (1964), I girasoli (1969). O casal que formou com Sophia Loren foi uma das parcerias artísticas mais bem sucedidas do cinema italiano, que se desdobrou com episódios memoráveis ao longo da carreira de ambos.

Em 1966 estreia na comédia musical, interpretando por cerca de três meses o papel de Rodolfo Valentino em Ciao Rudy de Garinei e Giovannini, cantando e dançando todas as noites e tentando desbancar outra reputação que tinha sido criada, da preguiça eterna. A crítica não foi terna com ele, e mesmo com os ingressos constantemente lotados até “sold out”, Mastroianni sai de cena e paga uma multa de 100 milhões de liras para filmar Il viaggio di G. Mastorna de Federico Fellini, projeto que o diretor nunca conseguiu realizar, porque não conseguiu levantar dinheiro o suficiente Il papavero è anche un fiore de Terence Young.

Em 1968 filma Um Lugar Para os Amantes sob a direção de Vittorio De Sica. A protagonista feminina é Faye Dunaway, com quem tem um breve, mas muito comentado, romance. Nesta mesma época filma alguns filmes na língua inglesa, mas diferente de Sophia Loren, que fala um inglês perfeito, ele tinha dificuldades com a língua.

Em 1971 trabalha com Marco Ferreri em Liza e sob o set conhece Catherine Deneuve, com a qual terá um longo relacionamento, da qual nascerá Chiara. No ano seguinte se transfere para Paris e tem a oportunidade, entre 1972 e 1974, de trabalhar em muitos filmes franceses.

Retornando à Itália, volta a interpretar papéis em comédias leves (Culastrisce, nobile veneziano, La pupa del gangster), filmes de autor (Juízo Final, Una giornata particolare), dramas fortes (Esposamante, Per le antiche scale), filmes grotescos (Ciao maschio, Fatto di sangue fra due uomini per causa di una vedova, si sospettano moventi politici).

Em 1978 estreia em um filme de drama para a televisão: Le mani sporche, que Elio Petri trouxe Jean Paul Sartre. Antes disso Mastroianni nunca havia trabalhado na TV, com exceção de algumas aparições famosas como anfitrião em Studio Uno (ao lado de Mina e de Sandra Milo).

Em 1980 é chamado por Federico Fellini, que dezoito anos após 8½ o trás novamente como protagonista em Cidade das Mulheres. Trabalha de novo com ele em 1985 em Ginger e Fred, ao lado de Giulietta Masina, e em 1987 em Intervista.
Em 1988 é protagonista junto a Massimo Troisi em Splendor e Che ora è?, ambos dirigidos por Ettore Scola. Por este último filme os dois protagonistas recebem a Coppa Volpi na Mostra de Veneza.Nos anos 1990, Marcello Mastroianni filma sobre tudo exterior, com grandes diretores do cinema internacional.

Em 1996, descobre o cancer de pancreas, mas mesmo assim continuou trabalhando no qual seria seu último filme (Viagem ao Princípio do Mundo de Manoel de Oliveira) e nos intervalos deste filme grava uma longa conversa sobre sua vida (Mi ricordo, sì… mi ricordo, direção de Annamaria Tatò, a sua última companheira) que é considerada por muitos o seu testamento espiritual.

Marcello faleceu no seu apartamento de Paris em 19 de dezembro de 1996, atingido pela doença e assistido pela sua adorada filha mais nova, Chiara. Ele foi enterrado no cemitério Verano, em Roma.

Mastroianni e Jack Lemmon são os únicos atores a ganhar duas vezes o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes. Mastroianni ganhou em 1970 por Dramma della gelosia: tutti i particolari in cronaca e em 1987 for Olhos Negros.

Filmografia

1939 : Marionette de Carmine Gallone (sem créditos)
1942 : Una storia d’amore de Mario Camerini
1944 : I bambini ci guardano de Vittorio De Sica (sem créditos)
1948 : I miserabili de Riccardo Freda
1949 : Vent’anni de Giorgio Bianchi
1949 : Vertigine d’amore de Luigi Capuano
1950 : Domenica d’agosto de Luciano Emmer
1950 : Contro la legge de Flavio Calzavara
1950 : Vida de Cão de Mario Monicelli
1950 : Cuori sul mare de Giorgio Bianchi
1951 : Atto d’accusa de Giacomo Gentilomo
1951 : A Tale of Five Cities de Romolo Marcellini, Emil E. Reinert, Wolfgang Staudte, Montgomery Tully, Géza von Cziffra, Irma von Cube
1951 : Parigi è sempre Parigi de Luciano Emmer
1952 : L’eterna catena de Anton Giulio Majano
1952 : La muta di Portici de Giorgio Ansoldi
1952 : Sensualità de Clemente Fracassi
1952 : Tragico ritorno de Pier Luigi Faraldo
1952 : Le ragazze de Piazza di Spagna de Luciano Emmer
1952 : Penne nere de Oreste Biancoli
1953 : La valigia dei sogni de Luigi Comencini
1953 : Lulù de Fernando Cerchio
1953 : Febbre di vivere de Claudeo Gora
1953 : Non è mai troppo tarde de Filippo Walter Ratti
1953 : Gli eroi della domenica de Mario Camerini
1953 : Il viale della speranza de Dino Risi
1954 : La principessa delle Canarie de Paolo Moffa
1954 : Schiava del peccato de Raffaello Matarazzo
1954 : Cronache de poveri amanti de Carlo Lizzani
1954 : Tempi nostri de Alessandro Blasetti
1954 : Giorni d’amore de Giuseppe De Santis
1954 : Casa Ricordi de Carmine Gallone
1954 : Peccato che sia una canaglia de Alessandro Blasetti
1955 : Tam tam Mayumbe de Gian Gaspare Napolitano
1955 : A Bela Moleira de Mario Camerini
1956 : La fortuna de essere donna de Alessandro Blasetti
1956 : Il bigamo de Luciano Emmer
1957 : O Medico E O Charlatao de Mario Monicelli
1957 : Padri e figli de Mario Monicelli
1957 : La ragazza della salina de Frantisek Cap
1957 : Il momento più bello de Glauco Pellegrini
1957 : Noites Brancas de Luchino Visconti
1958 : Contos de Verão de Gianni Franciolini
1958 : Amore e guai de Angelo Dorigo
1958 : Os Eternos Desconhecidos de Mario Monicelli
1959 : Il nemico de mia moglie de Gianni Puccini
1959 : Un ettaro de cielo de Aglauco Casadeo
1959 : A Lei Dos Crapulas de Jules Dassin
1959 : Tutti innamorati de Giuseppe Orlandeni
1959 : Ferdinando I, re di Napoli de Gianni Franciolini
1960 : A Doce Vida de Federico Fellini
1960 : O Belo Antonio de Mauro Bolognini
1960 : Adua e le compagne de Antonio Pietrangeli
1961 : Fantasmi a Roma de Antonio Pietrangeli
1961 : A Noite de Michelangelo Antonioni
1961 : L’assassino de Elio Petri
1961 : Divórcio à Italiana de Pietro Germi
1962 : Vida Privada de Louis Malle
1962 : Cronaca familiare de Valerio Zurlini
1963 : Fellini 8 e Meio de Federico Fellini
1963 : Os Companheiros de Mario Monicelli
1963 : Ontem, Hoje e Amanhã de Vittorio De Sica
1964 : Matrimônio à Italiana de Vittorio De Sica
1965 : L’uomo dei cinque palloni de Marco Ferreri
1965 : Oggi, domani e dopodomani de Luciano Salce, Marco Ferreri, Eduardo De Filippo
1965 : Casanova ’70 de Mario Monicelli
1965 : A Décima Vítima de Elio Petri
1966 : Eu… Eu… Eu… E os Outros de Alessandro Blasetti
1966 : Poppies Are Also Flowers de Terence Young
1966 : Spara forte, più forte… non capisco! de Eduardo De Filippo
1967 : O Estrangeiro de Luchino Visconti
1968 : Questi fantasmi de Renato Castellani (sem creditos)
1968 : Um Lugar Para os Amantes de Vittorio De Sica
1968 : Diamonds for Breakfast de Christopher Morahan
1970 : Dramma della gelosia: tutti i particolari in cronaca de Ettore Scola
1970 : Os Girassóis da Rússia de Vittorio De Sica
1970 : Leo the Last de John Boorman
1970 : Giochi particolari de Franco Indovina
1971 : Rocco Papaleo de Ettore Scola
1971 : Scipione detto anche l’africano de Luigi Magni
1971 : A Mulher do Padre de Dino Risi
1971 : Ça n’arrive qu’aux autres de Nadine Trintignant
1972 : Liza (filme) de Marco Ferreri
1972 : Que? de Roman Polanski
1973 : Mordi e fuggi de Dino Risi
1973 : Que Viva a Revolução de Paolo e Vittorio Taviani
1973 : La grande bouffe de Marco Ferreri
1973 : L’événement le plus important depuis que l’homme a marché sur la lune de Jacques Demy
1973 : Massacre em Roma de George Pan Cosmatos
1973 : Salut l’artiste de Yves Robert
1974 : Não Toques na Mulher Branca de Marco Ferreri
1975 : La pupa del gangster de Giorgio Capitani
1975 : Divina Criatura de Giuseppe Patroni Griffi
1975 : Per le antiche scale de Mauro Bolognini
1975 : La donna della domenica de Luigi Comencini
1976 : Culastrisce nobile veneziano de Flavio Mogherini
1976 : Juízo Final de Elio Petri
1977 : Esposamante de Marco Vicario
1977 : Um Dia muito Especial de Ettore Scola
1977 : Doppio delitto de Steno
1978 : Atos Proibidos de Amor E Vingança de Sergio Corbucci
1978 : Ciao maschio de Marco Ferreri
1978 : Senhoras e Senhores, Boa Noite de Luigi Comencini, Mario Monicelli, Nanni Loy, Ettore Scola, Luigi Magni
1978 : Tentação Proibida de Alberto Lattuada
1978 : Fatto de sangue fra due uomini per causa de una vedova, si sospettano moventi politici de Lina Wertmüller
1979 : L’ingorgo – Una storia impossibile de Luigi Comencini
1980 : Cidade das Mulheres de Federico Fellini
1980 : O Terraço de Ettore Scola
1981 : Fantasma d’amore de Dino Risi
1981 : A Pele de Liliana Cavani
1982 : Casanova E A Revolução de Ettore Scola
1982 : Atrás Daquela Porta de Liliana Cavani
1983 : Gabriela, Cravo e Canela de Bruno Barreto
1983 : A Estória de Piera de Marco Ferreri
1983 : Il generale dell’armata morte
1984 : Enrico IV de Marco Bellocchio
1985 : As Duas Vidas de Mattia Pascal de Mario Monicelli
1985 : Maccheroni de Ettore Scola
1986 : O melissokomos de Theodoros Angelopoulos
1986 : Ginger e Fred de Federico Fellini
1987 : Miss Arizona de Pal Sandor
1987 : Entrevista de Federico Fellini
1987 : Uma Dupla Ireverente de Armando Todeni
1987 : Olhos Negros de Nikita Mikhalkov
1989 : Splendor de Ettore Scola
1989 : Che ora è? de Ettore Scola
1990 : Estamos todos bem de Giuseppe Tornatore
1991 : Doce infidelidade de Gene Saks
1991 : Verso sera de Francesca Archibugi
1991 : O Passo Suspenso da Cegonha de Theodoros Angelopoulos
1991 : Le voleur d’enfants de Christian De Chalonge
1992 : Romance de Outono de Beeban Kidron
1993 : De eso no se habla de Maria Luisa Bemberg
1993 : Un, deux, trois, soleil de Bertrand Blier
1994 : Prêt-à-Porter de Robert Altman
1995 : As Cento e Uma Noites de Agnès Varda
1995 : Al di là delle nuvole de Michelangelo Antonioni e Wim Wenders
1996 : Sostiene Pereira de Roberto Faenza
1996 : Três Vidas e uma só Morte de Raoul Ruiz
1997 : Viagem ao Princípio do Mundo de Manoel de Oliveira
1993 : Prêmio César de honra
1993 : Coppa Volpi de melhor second rôle na Mostra de Veneza por Un, deux, trois, soleil
1994 : NBR Award de melhor performance de elenco em Prêt-à-porter
1995 : David di Donatello de melhor ator principal por Sostiene Pereira
1995 : Câmera de Ouro no Festival de Cannes por sua carreira
1996 : David di Donatello]] de lembrança (David em memória)
1996 : Silver Wave Award no Festival Internacional de Cinema de Fort Lauderdale por Três Vidas e uma só Morte
1997 : Nastro d’Argento especial por papel no mundo do cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados