A opinião

O filme é contado por instantes vividos em um número de dias. Escolhe-se o dia e o momento passado. Não é linear, vai e volta, porém funciona totalmente no contexto. A narrativa descreve por dentro, sem sentimentalismos exagerados, a duração – o início, meio e fim – não necessariamente nesta ordem, de um relacionamento de pessoas diferentes, com suas idiossincrasias individuais e suas maneiras de pensar e viver a vida. A narração já avisa logo: não é um filme com esperanças. Discordo, acredito que seja sobre o destino cético que nos move. Algumas vezes, há uma inversão de papéis sociais com um humor interno expurgado. O medo do fracasso faz com que a exposição do que se sente não aconteça, ou siga lentamente. Eles experimentam o conhecimento de um e do outro. Mutuamente, estipulando os prós e os contras. “A solidão é menosprezada”, diz-se. Embalado por The Smiths, o filme possui uma atmosfera nostálgica, com muitas referências a outros filmes e músicas. É um filme apaixonado em certas passagens, depressivos em outras, ingênuo, pessimista e extremamente real. A busca pela felicidade rotulada é a bússula. “Por que não deu certo?”, ele pergunta. “O que sempre acontece: a vida”, ela responde. Há recordações e expectativas, desejando-se uni-las a realidade. O longa pode também ser captado pelo recomeço do fim de algo. Ou o final de algo cômodo. É como se precisasse trocar as estações do ano. “Nada mais do que coincidência”, outra frase. É para ser assistido por quem não está bem no namoro ou casamento, por quem está feliz e radiante, por quem busca e por quem não espera nada. Atinge a tudo e todos. É um filme não pretensioso. O diretor deixa acontecer, por isso é tão bom. Vale muito a pena. Recomendo.

Ficha Técnica

Direção:Marc Webb
Roteiro:Scott Neustadter, Michael H. Weber
Elenco:Joseph Gordon-Levitt, Zooey Deschanel, Geoffrey Arend, Matthew Gray Gubler
Fotografia:Eric Steelberg
Montagem:Alan Edward Bell
Música:Mychael Danna, Rob Simonsen
País:Estados Unidos
Ano:2009

A Sinopse

Tom, jovem tímido, formou-se em Arquitetura, mas trabalha escrevendo cartões de felicitação. Solitário e frustrado, não vislumbra grandes rumos em sua vida. Quando seu chefe contrata uma nova secretária, Summer, ele vê seu ideal de amor tomar finalmente forma. Linda, espirituosa e inteligente, ela gosta das mesmas coisas que ele. Eles saem algumas vezes, e a lista de afinidades não para de crescer. Tom se apaixona perdidamente, mas Summer, que acredita que o amor não passa de uma fantasia, quer apenas se divertir.

O Diretor

Nasceu em 1975, nos EUA. Estudou na Universidade do Colorado e na Universidade de Nova York. Diretor de vídeos, comerciais e videoclipes, trabalhou com bandas como Green Day, Snow Patrol, Weezer e My Chemical Romance, e recebeu diversos Video Music Awards da MTV. Em 2003 dirigiu o curta-metragem Seascape, seu primeiro filme de ficção, que teve sua primeira exibição no Festival de Comédia de Aspen. Este é seu primeiro longa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados