A opinião

É politacamente incorreto, vulgar, sem moral e direto. Por isso é excelente. O filme dialoga com um humor ácido, irônico, debochado e real. Tudo ao mesmo tempo. A trajetória para o querer “transar” de uma esposa depois de um certo tempo de casamento. “Prefiro envelhecer com orgasmos”, diz a mulher. Há referências a tudo sem limitações. “Poupe-me da erudição da internet”, ele diz. Sobre o linguajar da esposa, o marido diz “vou te dar o oscar da vulgaridade mundial”. O roteiro é extremamente competente e engraçado. Os atores estão espetaculares. Cria a vontade de assistir muitas vezes. Diversão com um conteúdo estereotipado de propósito. É um curta que tem que ser visto.

Notas do Diretor

“Agradeço ao talento das pessoas que ajudaram a fazer o filme, sem elas não haveria o filme”

Notas do Ator

“Dedico o trabalho a todos os brochas do Brasil que se calam diante das atitudes do Presidente do Senado”

Ficha Técnica

Direção:Clovis Mello
Roteiro:Reinaldo Moraes
Elenco:Ricardo Petraglia e Marilia Medina
Fotografia:Marcelo Brasil
Montagem:João Banco
Música:Ale Agra
País:Brasil
Ano:2008

A Sinopse

Em meio a uma casamento em crise, uma mulher de meia idade obriga seu marido à experimentar Viagra. A partir deste momento toda uma sequência de dramáticos acontecimentos deixam o seu marido em pânico.

O Diretor

Iniciou sua vida profissional em 1979, na TV Globo, onde trabalhou com Hans Donner, montou novelas, minisséries e linha de shows. Em 1986, veio para São Paulo para dirigir um programa de entrevistas pelo qual passaram personalidades como Ray Charles, Ayrton Senna, Pelé, David Copperfield, Xuxa. Com Doria, montou, em 1992, sua primeira produtora de cinema, a M21 Filmes, que se transformou, dois anos mais tarde, na CINE Cinematográfica. Trabalhando com publicidade, conquistou os mais importantes prêmios do mundo: três Leões no Festival de Cannes, dois para a Volkswagen e um para a Quaker, Medalhas de Ouro no Festival de Nova York para Philips e Volkswagen, Medalhas de Ouro no Festival de Londres para Panasonic e Philips, entre outros. No Brasil, ganhou 4 vezes o Prêmio Profissionais do Ano, foi cinco vezes o diretor mais premiado do Festival Voto Popular – Prêmio Cliente. Em 2002, foi o diretor mais premiado no Anuário do Clube de Criação e o Diretor do Ano no Prêmio Folha de S. Paulo/Revista da Criação. Em 2004, a Cine ganhou o prêmio Caboré.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados