A opinião

A narrativa brinca com a metaliguagem. É quase uma conversa com quem está assistindo. Ambienta, de forma nostálgica, ora quadrinhos para adultos, ora um thriller fantasioso. São devaneios de um escritor. O roteiro é excelente, e a interpretação do Caio é sensacional. Embalado por Caetano Veloso, aborda a convivência em crise (será?) de um casal. “É ótimo ir ao cinema sozinho”, diz-se. As cenas são no Rio de Janeiro. No centro. “Nada volta. Fica a feiúra, a tristeza e a maldade. Pelo menos nos restam os livros”, diz o pai, personagem amargurado, interpretado por Daniel Dantas, igualmente excelente. Há uma aceitação ingênua do personagem, um sentimento de culpa e de ser vítima. “Um escritor que não escreve é só um babaca tirando onda”, ele diz. Só que o personagem não consegue escrever. “Rubem Fonseca em ‘O mundo prostituto’ é o melhor”, outra frase. A camera é competente, sem inovação, comum mesmo, e com jeito de filme independente. A excessão é a cena da droga, interessante. O filme tem como união, produção argentina e os próprios atores, Caio e a mulher. É um filme feito na garra. O número de acertos e o que se pode acrescentar é muito maior do que o número de deslizes (alguns clichês e cenas desnecessárias) do filme. Portanto, recomendo.

Notas do Diretor

“Agradeço a produtora Luisa Resende. Eu tenho a melhor profissão do mundo: roteirista. Assim posso estar na gênese do projeto, quando é definido os sonhos e as angústias”

Notas da Produtora

“O filme é a estréia do diretor. Foi uma extrema generosidade o roteiro ter sido dado a mim. O filme cumpre o seu fim, sendo mostrado neste teatro Odeon. É o primeiro filme que posso chamar de meu. Mesmo com baixo orçamento, menos de um milhão, este projeto iguala em qualidade aos outros com um custo maior. Sobre a interpretação do Caio, é a melhor da sua carreira”

Notas do Ator

“Dedico a minha mulher, o amor da minha vida. E faço uma homenagem a Hugo Carvana”

Ficha Técnica

Direção:Paulo Halm
Roteiro:Paulo Halm
Elenco:Caio Blat, Maria Ribeiro, Luz Cipriota, Daniel Dantas, Lucia Bronstein
Fotografia:Nonato Estrela
Montagem:Luis Guimaraes de Castro
Música:Andre Moraes
País:Brasil / Argentina
Ano:2009

A Sinopse

Zeca, jovem escritor, às voltas com romance que não consegue escrever, vive no mais profundo ócio. Tem 30 anos, mas age como se fosse um adolescente. É talentoso, mas dispersivo: escreve duas frases e logo desiste. Casado com Julia, vive crise de relacionamento, provocada pela forma antagônica com que vêem a vida: Zeca não quer nada, Julia sabe o que quer. Zeca é infeliz, porém conformado. Até o dia que começa a acreditar que Julia o está traindo. E para seu espanto, com outra mulher.

O Diretor

Nasceu no Rio de Janeiro em 1962, e formou-se em cinema pela Universidade Federal Fluminense. Um dos mais prestigiados roteiristas do cinema brasileiro, escreveu filmes como Guerra de Canudos (1997), Pequeno Dicionário Amoroso (1997), Amores Possíveis (2001), Dois Perdidos Numa Noite Suja (2003) e Casa da Mãe Joana (2008). Dirigiu vários curtas, com destaque para Bela e Galhofeira (1998) e O Resto é Silêncio (2003). Este é o seu primeiro longa-metragem.

O Ator

Caio Blat nasceu em São Paulo, dia 2 de junho de 1980. Começou sua carreira aos oito anos de idade, fazendo comerciais para a televisão, já acumulando mais de 200 trabalhos em publicidade. O ator conta também com trabalhos expressivos em televisão, no cinema e no teatro. Casado com a atriz Maria Ribeiro (atriz do filme).

Filmografia

2008 – Bezerra de Menezes – O Diário de um Espírito
2006 – Baixio das bestas
2006 – O ano em que meus pais saíram de férias
2006 – Proibido proibir
2006 – Batismo de sangue
2005 – Quanto vale ou é por quilo?
2003 – Carandiru
2002 – Cama de gato
2001 – Lavoura arcaica
1998 – Caminho dos sonhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados