A opinião

Não se sabe se é ficção ou não. Exemplo de metalinguagem. Os atores interferindo nos personagens e vice versa, projetando carências e inseguranças. O filme ora soa pretensioso, ora genial, ora superficial, ora cult. Os diálogos, também não se sabe se inventados ou não, cria sensações inesperdas de divertimento e recolhimento. Com deboche, ironia e sarcasmo apresentam mentiras bem contadas. Walter Carvalho fez a direção de fotografia. Com Lula Carvalho, Guga Millet e David Pacheco. Os atores sendo observados pelo monitor. O diretor disse que foram 13 horas de duração com a camera na mão. Continuou dizendo que às vezes cansava a equipe, às vezes os atores. Experiência pauleira. Era dirigido por torpedos de celular. A diretora disse que o filme era a habilidade que os atores tinham de transmitir a sensação de tudo estar ocorrendo no aqui e agora, como se parecesse real.

Ficha Técnica

Direção: Christiane Jatahy
Roteiro: Christiane Jatahy
Elenco: Marina Vianna Cristina Amadeo Daniela Fortes Pedro Brício Kiko Mascarenhas
Fotografia: Walter Carvalho
Montagem: Sérgio Mekler
Música: Lucas Marcier e Rodrigo Marçal
País: Brasil
Ano: 2007

A Sinopse

13 horas de filmagem. 3 câmeras na mão. 5 atores dirigidos durante a filmagem por torpedo de celular. No dia 23 de dezembro de 2007, depois de 4 anos de trabalho contínuo de pesquisa de linguagem, os atores chegaram na casa da diretora do filme para viverem uma experiência cinematográfica única. Serem filmados ininterruptamente sem deixar de seguir roteiros e cenas. Ficção e realidade se entrelaçaram no limite máximo da tensão. Por trás de tudo são contadas histórias de uma geração que viveu à deriva, e que agora se defronta com a falta que os move.

A Diretora

Nasceu no Rio de Janeiro, em 1968 . É diretora teatral desde 1993. Entre seus trabalhos, destacam-se Carícias, de Sergi Belbel e Conjugado, que abriu o Ulls Festival em Barcelona e recebeu o Premio VillaNueva da critica em Cuba e o Prêmio Shell. Leitor por Horas ganhou o Prêmio Shell e o Prêmio Eletrobrás. A versão teatral de A Falta que nos move, venceu o Prêmio Qualidade Brasil e participou do Wiener Festwochen, da Mostra Internacional de Berlin e do Cena Contemporânea.

Diretor de Fotografia

Walter é herdeiro do Cinema Novo. Começou no cinema ajudando o irmão — o também cineasta Vladimir Carvalho — como fotógrafo (e sendo muito influenciado por ele). Aos poucos, foi assumindo outros projetos de fotografia em cinema até se tornar, ele próprio, também diretor de cinema. Sua apurada fotografia cinematográfica tem a marca inconfundível do cinema brasileiro da segunda metade do século 20, assim como testemunha as transformações sociais, políticas e culturais pelas quais o Brasil tem passado nas últimas décadas. Seu filho, Lula Carvalho, também enveredou na carreira cinematográfica e está se tornando um dos mais importantes diretores de fotografia do cinema brasileiro contemporâneo, junto com o pai.

Filmografia

2009 — Budapeste (Diretor).
2007 — Chega de Saudade (diretor de fotografia)
2007 — Baixio das Bestas (produtor associado e diretor de fotografia)
2006 — O Céu de Suely (diretor de fotografia)
2006 — Cleópatra (diretor de fotografia)
2006 — BerlinBall (diretor de fotografia)
2005 — Moacir Arte Bruta (diretor e roteirista)
2005 — Crime Delicado (operador de câmera e diretor de fotografia)
2005 — A Máquina (diretor de fotografia)
2004 — O Veneno da Madrugada (diretor de fotografia)
2004 — Entreatos — Lula a 30 Dias do Poder (diretor de fotografia)
2004 — Cazuza – O Tempo não Pára (co-diretor)
2003 — Lunário Perpétuo (cineasta)
2003 — Glauber o Filme, Labirinto do Brasil (diretor de fotografia)
2003 — Filme de Amor (diretor de fotografia)
2003 — Carandiru (operador de câmera e diretor de fotografia)
2003 — Amarelo Manga (operador de câmera e diretor de fotografia)
2001 — Um Crime Nobre (diretor de fotografia)
2001 — Janela da Alma (diretor, fotógrafo e roteirista)
2001 — Amores Possíveis (diretor de fotografia)
2001 — Abril Despedaçado (diretor de fotografia)
2001 — Madame Satã (diretor de fotografia)
2001 — Lavoura Arcaica (diretor de fotografia)
2000 — Passadouro (cineasta)
2000 — Villa-Lobos – Uma Vida de Paixão (cineasta)
1999 — Texas Hotel (cineasta)
1999 — Notícias de uma Guerra Particular (cineasta)
1998 — Somos Todos Filhos da Terra (cineasta)
1998 — O Primeiro Dia (cineasta)
1998 — Central do Brasil (cineasta)
1997 — Pequeno Dicionário Amoroso (cineasta)
1997 — O Amor Está no Ar (cineasta)
1996 — Terra Estrangeira (cineasta)
1995 — Un Siècle d’Écrivains (Jorge Amado) (cineasta)
1995 — Socorro Nobre (cineasta)
1995 — Cinema de Lágrimas (cineasta)
1995 — Butterfly (cineasta)
1993 — Agosto (cineasta)
1992 — A Babel da Luz (cineasta)
1991 — Os trapalhões e a Árvore da Juventude (cineasta)
1991 — Conterrãneos Velhos de Guerra (cineasta)
1991 — A República dos Anjos (cineasta)
1991 — A Grande Arte (fotógrafo)
1990 — Uma Escola Atrapalhada (cineasta)
1990 — O Mistério de Robin Hood (cineasta)
1990 — Circulo de Fogo (cineasta)
1990 — Blues (cineasta)
1990 — Assim na Tela como no Céu (cineasta)
1990 — A Paisagem Natural (cineasta)
1989 — Que Bom te Ver Viva (cineasta)
1989 — Césio 137 — O pesadelo de Goiânia (operador de câmera e cineasta)
1988 — Uma Questão de Terra (cineasta)
1988 — O Inspetor (cineasta)
1987 — Terra para Rose (cineasta)
1987 — Rio de Memórias (cineasta de fotografia)
1987 — Os Trapalhões no Alto da Compadecida (cineasta)
1987 — João Cândido, um Almirante Negro (cineasta)
1987 — Dama da Noite (cineasta)
1987 — Alta Rotação (diretor de fotografia e operador de câmera)
1987 — No Rio Vale Tudo (ou Si Tu Vas à Rio… Tu Meurs) (cineasta)
1986 — Geléia Geral (cineasta)
1986 — A Igreja da Libertação (cineasta)
1986 — A Dança dos Bonecos (operador de câmera)
1986 — Com Licença, Eu Vou à Luta (operador de câmera e cineasta)
1985 — O Rei do Rio (operador de câmera)
1985 — Krajcberg — O Poeta dos Vestígios (cineasta)
1984 — Quilombo (operador de câmera)
1984 — Pedro Mico (cineasta)
1984 — A Máfia no Brasil (cineasta)
1983 — Sargento Getúlio (cineasta)
1983 — Cinema Paraibano, Vinte Anos (cineasta)
1983 — A Difícil Viagem (cineasta)
1982 — Sete Dias de Agonia (cineasta)
1982 — Lages, A Força do Povo (fotógrafo)
1982 — Em Cima da Terra, Embaixo do Céu (cineasta)
1982 — A Missa do Galo (cineasta)
1981 — O Homem de Areia (cineasta)
1980 — Flamengo Paixão (operador de câmera)
1980 — Conterrâneos Velhos de Guerra (cineasta)
1979 — Jorge Amado no Cinema (cineasta)
1977 — Viola Chinesa (cineasta)
1977 — Que País é Este? (cineasta)
1977 — Antônio Conselheiro e a Guerra dos Pelados (cineasta)
1973 — O Homem do Corpo Fechado (responsável pelo título)
1973 — O Boi de Prata (Cineasta)
1971 — O País de São Saruê (assistente de direção)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados