Foto: Divulgação



A opinião

Pois é. Imagine um filme que manipule os seus sentimentos de forma dramática e pretensiosa. Imaginou? É esse. Um universo com diálogos superficiais, por causa de uma direção inexperiente. A música não condiz com o que está sendo apresentado, portanto mal escolhida. Um roteiro brega, chato e bobo.

Ficha Técnica

Direção: Vladimir Balko
Roteiro: Jirí Križan
Elenco: Attila Mokos, Roman Luknár, Helena Krajciová, Robert Wieckiewicz
Fotografia: Martin Štrba
Montagem: Jan Danhel
Música: Michal Lorenc
País: Eslováquia
Ano: 2009

A Sinopse

Tono, homem de meia-idade, acaba de sair da prisão depois de cumprir pena por roubo. Ele retorna ao seu vilarejo no interior da Eslováquia para tentar recomeçar a vida. Mas sua mulher está distante, e ele mal conhece seu filho de cinco anos. Para piorar, tem dificuldades para conseguir emprego por ser ex-presidiário. Seus amigos de infância, Marek e Peter, tentam ajudá-lo a recuperar sua vida. Mas as dificuldades financeiras e o preconceito local acabam levando-o a considerar uma proposta suspeita de Štefan, empresário influente que costumava ser seu melhor amigo.


Foto: Divulgação



O Diretor

Nasceu em 1965, na Eslováquia. Formou-se em Economia e em Cinema e Telejornalismo em Bratislava. Entre 1988 e 1996 trabalhou como editor e diretor para a televisão estatal. Realizou diversos documentários, dentre os quais se destacam a série de retratos The Dozen, e Seeking a Nanny, Password Agent Orange (2003), parte da série Time for Teens and Hope for Children with No Childhood. Este é seu primeiro longa-metragem de ficção. Estará no Festival para fazer o lançamento do filme.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados